Reflexões / Matutações

A perseverança é um desafio

24/10/2017

Estava lembrando o início da caminhada e de alguns que foram ficando pelo caminho. Lembrava com saudade e não com sentimentos de condenação ou julgamento, pois só Deus conhece as razões e os corações. Mas a perseverança é um desafio... Lembro que a última pregação dos Encontros de Jovens era exatamente “Perseverança”, ou “O quarto dia”, em alguns lugares.

 Matutava que perseverança, basicamente, é aquele conjunto de providências espirituais e materiais que, com o auxílio indispensável da graça, nos mantêm no caminho de Deus, que nos ajuda a não perder o foco de nossa vida espiritual e de nossa vocação. Perseverar é ser insistente, constante, obstinado até. O fato é que muita acaba se desviando, perdendo o sentido daquilo que um dia foi seu grande ideal!

 Durante a caminhada pelo deserto, o povo hebreu começou a murmurar contra Moisés, e por extensão contra Deus, pela dureza do caminho. Não viam sentido naquela peregrinação na direção de uma “terra prometida” que não chegava nunca. Nessa reclamação, o povo faminto dizia-se saudoso do Egito, onde podia comer cebolas, melões e pepinos daquele país - Nm 11,4. De lá para cá, a ideia da saudade das cebolas do Egito configura aquele imediatismo de quem não tem paciência de esperar a realização de um projeto, e que logo se irrita quando as coisas não ocorrem com a urgência esperada.

 Esse episódio é rico da pedagogia de Deus e revela uma advertência, pois muitas vezes preferimos a fartura do pecado às dificuldades temporárias da obtenção da virtude. Conquistar a liberdade e a plenitude sempre custa algum sacrifício. No relato, o povo, por causa de algumas cebolas, estava disposto a voltar ao cativeiro, perdendo o bem que se aproximava. Queremos voltar para o Egito, onde há cebolas; não suportamos o desafio constante, sempre iminente, sempre exigente, do deserto. É como querer a escuridão ao invés da luz, ou o “filho pródigo” na volta à casa paterna sentir saudade da comida dos porcos.

 O desânimo, aquela semente sem profundidade - Mt 13,6, nos faz pensar que nunca vamos chegar à germinação da vida nova, e por essa razão desistimos da missão e capitulamos da busca da santidade, renunciando ao projeto de Deus, que se realizará, talvez não hoje, talvez não amanhã, mas seguramente em um futuro próximo.

 A salvação nos tira das trevas e nos leva à luz de Deus. O pecado, por mais sedutor e insinuante que possa parecer, oprime e degrada a pessoa humana. É um equívoco muito grande rejeitar a liberdade e preferir a escravidão. Libertar-se dos grilhões é caminhar para frente, seguindo a luz de Deus, sem se de deixar atrair pelo que ficou para trás. No deserto muitos tentaram voltar, reclamando que, pelo menos, no Egito, eles tinham as cebolas, apesar da servidão. O exemplo de Israel é um aviso para nós: “Hoje, se ouvires a voz de Deus, não endureças o teu coração como no dia da tentação no deserto” - Hb 3,7.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O conteúdo do Natal nos Padres da Igreja - 14/12/2017

Perdemos o senso do Natal! - 13/12/2017

Dia de Nossa Senhora de Guadalupe - 12/12/2017