Reflexões / Matutações

Quaresma... a nova criação

24/03/2017

Procurando “organizar o caos” de meus guardados, encontrei algumas anotações feitas na preparação e retiros e ensinos, anotações de matutações...

- Não existe uma verdadeira e plena experiência de Deus que não seja ao mesmo tempo um exercício da liberdade fundamental do ser humano e da misericórdia de Deus. É o livre consentimento num ato mútuo de doação – dar e receber - que se realiza entre duas  vontades, duas “pessoas”: Deus infinito e o homem finito. A única maneira de receber a Espírito, plenitude do Amor de Deus, “Vida Nova”, é imitar em nós seu ato de doação, entregando-nos completamente, livremente, ao seu Amor.

- Adão perdeu a liberdade; não a liberdade de escolha, mas a de alcançar sem obstáculos o amor para o qual fora criado e no qual encontrava o sentido de sua vida. Trocou a liberdade de uma natureza ordenada, pela graça, a plena realização, pelas compulsões, ansiedades e fraquezas de uma vontade entregue a si mesma; vontade que não faz o que quer, odeia o que deveria amar e foge daquilo que deveria buscar.

- Para voltar para Deus, o Homem precisava de um Mediador. Alguém que unisse em si a natureza de Deus e a natureza humana, restabelecendo em si mesmo a comunhão de Deus e do homem, a reconciliação de Deus com o homem. Jesus Cristo é este Mediador. Por sua morte na cruz lançou um ponte sobre o abismo cavado entre Deus e o homem pelo pecado.

- O “primeiro Adão” pela irresponsabilidade no uso de sua liberdade, pelo orgulho de buscar por si e em si mesmo a plena realização e felicidade, introduziu na vida a morte, a ilusão, o erro, a destruição, despertando o desejo desordenado. O “segundo Adão” – Jesus Cristo – pelo uso perfeito de sua liberdade, na obediência, trouxe “vida nova” a toda humanidade. Restabeleceu o Homem em sua comunhão com Deus, a fonte da vida plena. N’Ele e por Ele o ser humano pode chegar à Verdade – Rm 5.

- A “vida nova”, a vida no Espírito, vida “em Cristo”, é comunicada pelo Espírito Santo, consequência, primeiro fruto, da ressurreição de Jesus. Por isso a “nova criação” é como “um prolongamento de sua ressurreição” – Karl Rhaner. O Reino é instaurado e inaugurado: reino onde Deus reina no coração do homem e no coração do mundo.

Páscoa...

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O essencial na vida cristã - 23/10/2017

A maturidade cristã - 20/10/2017

O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017