Reflexões / Matutações

Ainda sobre a Quaresma

21/03/2017

Ainda matutando sobre a Quaresma...

 A Quaresma é um tempo de conversão em que a comunidade cristã vive e celebra na perspectiva da Páscoa. Neste tempo, a Igreja nos chama a fazer contínua memória da misericórdia do Pai e da salvação realizada por Cristo, por meio do seguimento de Sua vontade que é a de sermos santos - Ef 1,4.

 Santidade que não é fruto da vontade do homem, mas é dom de Cristo Jesus, Filho de Deus que, para nos santificar, morreu na cruz, ressuscitou, e “exaltado pela direita de Deus, recebeu o Espírito Santo que fora prometido pelo Pai e o derramou” abundantemente – Atos 2,33. Fomos chamados à santidade: “como é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós, em todo o vosso proceder” – 1Pd 1,15.

 A santidade “passa pela cruz. Não existe santidade sem renúncia e sem combate espiritual - 2Tm 4. O progresso espiritual no caminho da santidade “envolve ascese e mortificação, que levam gradualmente a viver na paz e na alegria” - CIC 2015. E isso nos leva a Quaresma e o caminho que este tempo propõe.

 Três práticas podem ser consideradas como princípios uma boa jornada penitencial, de uma boa Quaresma, em busca da santidade: a oração, o jejum e a esmola. A oração nos leva a conhecer melhor a Deus para mais amá-Lo e servi-Lo; o jejum serve para dominarmos nossas paixões, vencer a preguiça e nos colocar em estado de vigilância; a esmola é a partilha de nós mesmos, que produz a generosidade e nos afasta do egoísmo. Estas práticas quaresmais, que expressam nossa fidelidade amorosa a Deus, que nos chama à conversão e a santidade, podem ser resumidas, de uma maneira abrangente no "jejum".

 Jejum é privar-se ou renunciar a determinadas "coisas", agradáveis, atraentes, para afirmar a supremacia do amor ao Senhor sobre tudo o que existe. É afirmar um domínio sobre tudo o que é criado, sem deixar-se dominar por nada. O jejum abre o coração e faz-nos voltar para Deus, a partir da superação do apego às coisas. Assim se entra no caminho da oração e se dispõe o coração para a partilha com o próximo necessitado. É preciso encontrar um modo de enriquecer e aprofundar o jejum, abrindo-nos a "toda palavra que sai da boca de Deus" - Mt 4,4.

 Não podemos perder a consciência de que Deus nos chama a conversão em vista de uma aliança de amor cada vez mais plena. Isto supõe uma história, um processo, como sempre acontece no amor; e a Quaresma é um tempo propício para retomar este caminho.

 Tudo é graça. E a graça do Senhor se expressa numa história de amor que começou, um dia, no batismo e se prolonga no tempo, até o fim.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017

O fermento dos fariseus - 17/10/2017

Os tempos atuais não são fáceis.. - 16/10/2017