Reflexões / Matutações

O programa é "viver a vida trinitária"

23/02/2017

Pregava um Retiro e me perguntaram sobre um programa de vida cristã para os tempos atuais. Respondi lembrando S. João Paulo II: "não precisamos inventar um programa novo. O programa já existe: é o mesmo de sempre, expresso no Evangelho e na Tradição Viva. Concentra-se, em última análise, no próprio Cristo, que temos de conhecer, amar, imitar, para nele viver a vida trinitária e, com ele, transformar a história até a sua plenitude na Jerusalém celeste” - NMI 29.

 Depois fiquei matutando...

 O programa é "viver a vida trinitária". Isto é a santidade, que é a prioridade da vida cristã: ser santo é nossa vocação. "Seria um contrassenso contentar-se com uma vida medíocre e tíbia, pautada numa ética minimalista e numa religiosidade superficial. (...) Os caminhos da santidade são variados e apropriados à vocação de cada um. É hora de propor de novo a todos, com convicção, essa ‘medida alta’ da vida cristã ordinária, comum” – S. João Paulo II.

A vida espiritual, "a vida no Espírito", que amadurece até à santidade, consiste, em síntese, na ação do Espírito Santo na alma, que nos vai identificando com Cristo, – "cristificando" uma expressão da patrística – que nos faz viver a vida e o amor dos filhos de Deus Pai: Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho que clama: "Abá, Pai!" - Gál 4,6; todos os que são conduzidos pelo Espírito de Deus são filhos de Deus - Rom 8,14. Vida de filhos que nos vem pelo batismo!

 O amor, a caridade, que o Espírito Santo derrama nos nossos corações -  Rom 5,5 é, para todos os cristãos, o vínculo da perfeição- Cl 3,14, de tal modo que se não tiver caridade não sou nada..., nada me aproveita - 1Cor 13,2.

 O conteúdo essencial da caridade é o dom de si à imagem do dom de Cristo A caridade é exigente: o amor de Cristo nos constrange – 2Cor 5,14. Aqui não cabe a tibieza, a mediocridade. Sempre me chama a atenção a força com que Jesus, no Apocalipse, diz “Tenho contra ti que abandonaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, de onde caíste - Ap 2,4.

 A caridade jamais acabará - 1Cor 13,8. Podemos entender isso de duas maneiras: porque nunca pode parar de crescer e porque continuará, em plenitude, na visão beatífica, na união com a Trindade. Esse crescimento exige avançar no “programa de vida cristã” e o itinerário desse avanço é, fundamentalmente, obra do Espírito Santo.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


Conversão - 15/12/2017

O conteúdo do Natal nos Padres da Igreja - 14/12/2017

Perdemos o senso do Natal! - 13/12/2017