Reflexões / Matutações

A conversão

09/02/2017

Estava matutando... A conversão cristã não é só renúncia e cruz, mas também a conversão do desespero em esperança, da tristeza em alegria e conversão à vida comunitária! O episódio dos discípulos de Emaús - Lc 24 mostra que a conversão cristã é fonte de alegria, de esperança e de amor. Ela é sempre obra de Cristo ressuscitado que nos obteve esta graça por meio da sua paixão e a nos comunica por sua ressurreição.

 Vivemos numa sociedade marcada pela fé cristã. Desde a colônia o cristianismo marcou nossa cultura e costumes. As provas desta realidade estão espalhadas por toda a parte: igrejas, obras sociais, nomes de cidades, de rios... A marca cristã está presente nas inúmeras “Marias, Josés e Joões”.

 Apesar disso esta presença cristã corre o risco de se esvaziada de sua verdade e dos seus conteúdos mais profundos. Estamos vendo a religião cristã tornar-se uma referência social somente. Corremos o risco de um cristianismo “cultural e de costumes” onde a experiência de fé em Jesus crucificado e ressuscitado não ilumina o caminho da existência.

 Como os discípulos de Emaús, muitos cristãos de hoje, infelizmente, se afastam da Jerusalém do Crucificado e do Ressuscitado. Muitos perderam a fé no poder e na presença viva do Senhor. Diante do problema do mal, da dor e do sofrimento, da injustiça e o medo, dizem com tristeza: nós esperávamos que o Senhor nos libertasse do mal, da dor, do sofrimento, do medo, da injustiça. Não acreditando no testemunho da comunidade cristã, se afastam mergulhando suas vidas na tristeza e caminhando para longe da fé com os rostos tristes.

 A conversão dos discípulos de Emaús deve ser a nossa! É necessário escutar e amar a Palavra de Deus em Cristo Jesus, para que nosso coração se aqueça e nossa inteligência seja iluminada e assim conhecer o sentido de nossas vidas. É preciso sentar-se à mesa com o Senhor e sua presença humilde no Sacramento nos restitua o olhar da fé, para vermos tudo e todos com os olhos de Deus, na luz do seu amor. Estar com Jesus que permaneceu conosco, assimilar o seu estilo de vida doada, escolher com ele a lógica da comunhão entre nós, da solidariedade e da partilha.

 Os discípulos de Emaús, depois de terem reconhecido Jesus no partir do pão, “imediatamente voltaram para Jerusalém”. Nasce a urgência testemunhar a experiência que viveram: o encontro com o Senhor ressuscitado. É preciso que cada cristão, em todos os lugares, se transforme em testemunha, pronto a anunciar com vigor e com alegria o acontecimento da morte e da ressurreição de Cristo.

 Uma certeza nos dá confiança: o Senhor ressuscitado caminha conosco, ontem, hoje e sempre!

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O essencial na vida cristã - 23/10/2017

A maturidade cristã - 20/10/2017

O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017