Reflexões / Matutações

Ser Maria para ser Marta!

17/01/2017

Marta e Maria eram irmãs de Lázaro, a quem Jesus amava. São Lucas diz que Marta recebeu Jesus em sua casa. Conhecemos o episódio: Marta se afadiga no trabalho e Maria está aos pés de Jesus, “a melhor parte” – Lc 10,38.

 Fiquei matutando... O fato vem a seguir da Parábola do Bom Samaritano, onde Jesus insiste na ação concreta em favor do necessitado. O amor ao próximo se caracteriza por se tornar próximo do indigente, cumprindo assim o desejo de Deus. Qual seria então a intenção de São Lucas ao colocar a passagem de Marta e Maria neste contexto?

 Estas duas irmãs, Marta e Maria representam duas maneiras de seguir a Jesus, que não deveriam se excluir. Muitas vezes criticamos o “ser Maria” daqueles que rezam, ou o “ser Marta” daqueles que se afadigam na ação.

 Na parábola do Bom Samaritano, Jesus fala do amor comprometido e critica a prática religiosa alienada, ritualista e intimista... Então, para que ninguém pensasse num ativismo sem amor, ou para evitar comprender a fé somente e exclusivamente como ação social, são Lucas apresenta o episódio na casa de Marta.

 Como conciliar estes dois ensinos, aparentemente opostos: o Bom Samaritano, Marta e Maria? Temos a tendência de radicalizar os extremos e são raros os que conseguem manter um equilíbrio entre “compromisso social e oração”. Normalmente, ou nos tornamos cada vez mais eficientes na parte social e negligenciamos a vida interior, ou pelo contrário, nos dedicamos à evangelização e a oração e não nos envolvemos nas atividades sociais que a fé exige.

 Qual a nossa escolha? Marta ou Maria? A primeira tendência é dizer: Maria! Mas então.... quem irá cuidar dos pobres e necessitados com os quais Jesus se identifica? Não é nada fácil responder à pergunta... Marta como Maria, eram dedicadas e comprometidas com o Reino de Deus, mas de maneira diferentes: Maria queria estar com Jesus para ouvir e adorar; Marta queria oferecer trabalho e assistir Jesus com seu serviço.

 Certamente que as duas atitudes são necessárias. Jesus não disse para Marta não fazer o que estava a fazer, mas que Maria escolheu a melhor parte. Das duas partes necessárias, uma é a melhor, mas isso não quer dizer que a outra é errada e dispensavel!

 “Para tudo há momento e tempo” – Ecle 3,1. Tempo para estar com Jesus e tempo para servir a Jesus. Esta sequência é muito importante e não pode ser invertida! Não podemos começar por servir ao Senhor, sem primeiro o ouvir.

 Ser Maria para ser Marta!

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017

O fermento dos fariseus - 17/10/2017

Os tempos atuais não são fáceis.. - 16/10/2017