Reflexões / Matutações

A nossa configuração a Cristo

16/12/2016

O Espírito Santo age em nossa conversão. Sempre que o Espírito Santo se movimenta em nós inicia em nós um processo de conversão porque Ele é luz. Quando tal luz se acende e aclara nosso interior, revela-nos o nossa situação de indigência da graça.

 O Espírito Santo nos faz perceber que o pecado reside em nós, que suas raízes estão em nós. Mas Ele não nos abandona, mas nos convence; como ao “filho pródigo” ao tomar consciência de sua situação: os empregados de meu pai são mais bem tratados do que eu. Vou levantar-me e voltar! Ele nos conduz a Jesus, que é o caminho ao Pai, nos dá conhecimento de sermos pecadores e suscita o desejo de mudança de vida.

 O Espírito Santo nos dá a ciência de que dentro de nós existem tendências ao pecado, mas ao mesmo tempo constrange nossa consciência em relação ao ato de pecado, ao ato de ofender a Deus. Por isso, os santos dizem, como São Domingos Sávio: “Antes morrer do que pecar”.

 A graça da conversão é uma graça que acompanha a santificação. Não existe alguém que prossiga na vida do Espírito se não estiver em estado de conversão permanente. São duas linhas do mesmo trilho: a conversão e a santidade.

 O Espírito Santo realiza essa obra em nós gerando uma amizade profunda com Jesus Cristo, cultivada por um relacionamento pessoal profundo com Ele. Ao acolher o Espírito Santo o nosso coração será transformado num coração semelhante ao de Jesus, habitado pelos sentimentos que encontramos em Seu coração.

 A obra do Espírito é a nossa configuração a Cristo, e isso se inicia pela conversão, pela mudança de nossa mentalidade e pela contínua santificação, ou seja, pela transformação de nosso coração.

 

Vinde, Espírito Santo!

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O conteúdo do Natal nos Padres da Igreja - 14/12/2017

Perdemos o senso do Natal! - 13/12/2017

Dia de Nossa Senhora de Guadalupe - 12/12/2017