Reflexões / Matutações

Como é exigente o “fazer a vontade de Deus”

07/12/2016

Acordei de madrugada... Algumas coisas, decisões, preocupações roubaram o meu sono. Procurando acalmar meu coração, matutava: como é exigente o “fazer a vontade de Deus”, de cumprir seu itinerário... O próprio Jesus experimentou este drama no Getsemâni!

 Lembrei-me de algo que li no livro “Jesus de Nazaré”: “em nenhuma oura parte da Sagrada Escritura olhamos tão profundamente para dentro do mistério interior de Jesus, como na oração no Monte das Oliveiras” – Bento XVI.

 “A oração de Jesus durante a agonia no Jardim do Getsemâni e nas últimas palavras sobre a cruz revelam a profundidade da sua oração filial: Jesus conduz à sua realização o desígnio de amor do Pai e toma sobre si todas as angústias da humanidade, todas as interrogações e intercessões da história da salvação. Ele apresenta-as ao Pai que as acolhe e escuta, para além de toda a esperança, ressuscitando-O dos mortos” – CIC n. 543.

 Cada dia na oração do Pai-Nosso nós pedimos ao Senhor: “Seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu”- Mt 6, 10. Isto é, reconhecemos que há uma vontade de Deus conosco e para nós, uma vontade de Deus sobre a nossa vida!

 Esta vontade deve tornar-se cada dia mais a referência da nossa vontade e do nosso ser; além disso, reconhecemos que é no “céu” que se cumpre a vontade de Deus, e que a “terra” só se torna “céu”, lugar da presença do amor, da verdade, da liberdade e da justiça divina, se nela se cumprir a vontade de Deus.

 Na prece de Jesus ao Pai, na noite do Getsemâni, a “terra” tornou-se “céu”; a “terra” da “sua vontade humana, atingida pelo medo e pela angústia, foi assumida por sua vontade divina, de maneira que a vontade de Deus se cumpriu sobre a terra” – Bento XVI.

 Devemos aprender a confiar-nos mais à Providência divina, pedir a Deus a força para sairmos de nós mesmos e renovarmos o nosso “sim”, para lhe repetirmos: “Seja feita a vossa vontade”, para conformarmos a nossa vontade com a sua.

 Devemos rezar o “Pai Nosso” todos os dias, porque nem sempre é fácil confiar-nos à vontade de Deus, de repetir o “sim” de Jesus, o “sim” de Maria. O Getsemâni demonstra dolorosamente que os discípulos escolhidos por Jesus para estar ao seu lado, não foram capazes de vigiar com Ele, de compartilhar a sua oração, a sua adesão ao Pai, e foram dominados pelo sono.

 Rezei pedindo ao Senhor para ser capaz de vigiar com Ele em oração, de cumprir a vontade de Deus todos os dias, mesmo quando se fala de Cruz, de viver uma intimidade cada vez maior com o Senhor, para trazer a esta “terra” um pouco do “céu”!

 Dormi “o que sobrou” da noite...

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


Conversão - 15/12/2017

O conteúdo do Natal nos Padres da Igreja - 14/12/2017

Perdemos o senso do Natal! - 13/12/2017