Reflexões / Matutações

Evangelizar, O Grande Desafio...

10/11/2016

Olhando a sociedade atual, o mundo contemporâneo de um modo geral, percebemos que evangelizar é o grande, enorme, desafio para nós cristãos. Muitas vezes somos tentados achar que o “sucesso” da missão depende das estratégias, dos instrumentos... ou da modernização das técnicas de comunicação... ou ainda da “mitigação do Evangelho” (Bento XVI) tornando-o mais “aceitável” aos ouvidos humanos...

Olhando a história do cristianismo, vemos que em menos de três séculos, a poderosa cultura romano-helênica foi submergida por algo que ocorreu numa província periférica do Império, uma mensagem pregada por homens e mulheres que não possuíam o brilho dos grandes filósofos, que não dispunham de grandes estruturas de transportes e comunicação.

Alguns historiadores tentam explicar o sucesso do cristianismo pela capacidade da “nova religião” em absorver os valores existentes em todas as outras crenças e se tornar indispensável ao mundo, ou ainda, que a “fraternidade” e a partilha, pelas obras de caridade, atraiam a multidão de pobres.

O limite deste raciocínio “histórico” é o de dar mais importância ao sujeito que ao objeto da missão, mais aos missionários que ao conteúdo.

Mas, enfim, porque o cristianismo “triunfou”? Afinal esta resposta é para os dias de hoje, pois, que vivemos uma situação de domínio e paganismo semelhante...

“Matutando” sobre essas coisas, lembrei-me da parábola sobre o Reino em Marcos 4,26-29: “O Reino de Deus é como quando alguém lança a semente na terra”... Ora, cabe ao semeador semear, já que a semente não pode lançar-se, mas o fruto não depende que quem semeia, nem da terra, mas sim da qualidade da semente! Quando a semente, Jesus Cristo, cai na terra, que é o coração humano, nada poderá impedir que ela germine!

Não nos cabe indagar sobre a terra, nos é dada a tarefa de lançar a Semente, pregar a Palavra

O cristianismo é fruto da Semente que lançada na terra germinou! Assim, somos chamados à generosidade do semear, a dar a terra- sociedade a Semente, que por si mesma irá produzir uma árvore aonde os pássaros do céu virão fazer seus ninhos. Precisamos reacender em nós a convicção da verdade que anunciamos: “a Igreja precisa readquirir o anseio, o gosto e a certeza da sua própria verdade” – Paulo VI.

“Eu tive fé e, por isso, falei, nós também temos fé e, por isso, falamos” – 2 Cor 4,13.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017

O fermento dos fariseus - 17/10/2017

Os tempos atuais não são fáceis.. - 16/10/2017