Reflexões / Matutações

A esperança

03/01/2018

Começo de ano, previsões, propósitos... Li, em algum lugar, uma frase de Ariano Suassuna (+2014): “Não sou nem otimista, nem pessimista. Os otimistas são ingênuos, e os pessimistas amargos. Sou um realista esperançoso. Sou um homem da esperança.Sei que é para um futuro muito longínquo. Sonho com o dia em que o sol de Deus vai espalhar justiça pelo mundo todo”.

A questão da esperança levou-me a ficar matutando... Ter esperança não significa aguardar resignadamente. Esta atitude, chamada de “alienação da esperança” - Kemp (+1958) leva a pensar: “não posso fazer nada... uma andorinha não faz verão”... Dentro dessa perspectiva, se esperaria que, no futuro, “as abóboras se ajeitassem no andamento da carroça” automaticamente. Este tipo de esperança passiva, nada mais é do que uma forma disfarçada de desesperança. “O importante é aprender a esperar quando olhamos para o futuro aberto, escuro e indeterminado como ele é, é a esperança que nos dá coragem” - Kemp.

A garantia da esperança é a fidelidade de Deus, que mantém sua palavra, sua promessa e não mentirá, pois não pode negar-se a si mesmo. “Se a certeza da esperança cristã se fundamenta na promessa e na missão do Cristo crucificado, logo, a ressurreição de Cristo traz consigo uma esperança que aponta para o futuro do mundo e do homem no futuro de Cristo”. – JB Libânio (+2014) .

As ameaças sobre o futuro da humanidade têm gerado desesperança, angústia e medo... Contudo, a esperança do homem em Cristo não é arruinada pelas desesperanças deste mundo. O cristão não se conforma com a morte, uma vez que Cristo não permaneceu na morte.

A esperança cristã não é uma utopia da fé, não é apenas “mais uma possibilidade”; ao contrário, ela se apresenta como um processo em direção à verdade, não se aliando da história, mas produzindo a confiança de que o bem e a justiça de Deus virão. O homem não se contenta com o mundo – Rm 12,2, uma vez que foi feito para algo maior. Inconformado com a realidade, que não lhe dá o sentido da vida, encontra em Deus a razão da sua esperança e vive dessa esperança.

Sem esperança, o homem não é capaz de lutar nem de sofrer. Enquanto não encontra em Deus a sua esperança, o homem, desalentado, contenta-se com a ilusão da segurança oferecida pela sociedade moderna. “Enquanto vive, o homem tem esperança; quando desaparece a esperança, tudo está perdido” - Libânio.

A esperança cristã não é a mesma daquela que viviam na Antiga Aliança, pois ela se apoia na redenção já realizada por Cristo. Através das bem-aventuranças, Jesus quer anunciar aos pobres, humildes e oprimidos a futura realização da esperança deles. A esperança do cristão consiste na posse de bens que pertencem ao Reino de Deus e que são, ao mesmo tempo, presente e futuro; ela não decepciona e, juntamente com a fé e o amor, constitui a vida cristã.

A esperança não encontra desilusão e não foi à toa que os discípulos deixaram tudo para comprar o tesouro escondido. Por isso, nós que, à semelhança dos primeiros cristãos, descobrimos a preciosidade de Jesus, diante do qual tudo mais se torna insignificante, podemos dizer como eles: “Cristo é a nossa esperança”.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


E como crerão naquele que não ouviram? - 12/01/2018

Você faz alguma coisa ou só prega? - 11/01/2018

Mundo de informações... podemos filtrar o que é bom? - 10/01/2018