Reflexões / Matutações

A esperança é indispensável

18/12/2017

O ano foi intenso, cheio de trabalho e dificuldades e o próximo ano “promete”... O país não vive um “bom momento” e isso reflete na vida de todos... As perspectivas para 2018 variam do pessimismo a desistência, passando pelo desejo de um “salvador da pátria” que dê jeito em tudo “isso que está aí”...

 Diante desta realidade, muitas vezes dura, algumas pessoas percebem-se paralisadas, sem coragem para ousar passos e posturas diferentes. Assim fiquei matutando: a esperança é indispensável; tema obrigatório nestes tempos “bicudos”!

 S. Agostinho, que sempre tem uma frase, uma “matutação”: “a esperança tem duas filhas lindas, a indignação e a coragem; a indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão; a coragem, a mudá-las”.

 A fé nos faz acreditar na esperança como um caminho. E se a esperança é genuína, a indignação diante de tudo o que fere a vida e o ser humano será critério de avaliação e nos despertará a coragem para ser e querer que as coisas mudem e sejam melhores para todos.

 Indignar-se com as coisas absurdas que acontecem deve ser fruto da nossa esperança. Indignar-se ao ver a corrupção, a pobreza, o abuso do poder, o secularismo avançando... é o mínimo que poderemos fazer. A coragem entra no fato de querer mudar a coisas. Permanecer somente na crítica é omissão. É preciso querer mudar, primeiramente a nós mesmos para assim querermos mudar o resto. S. Paulo propõe exatamente isso: “não vos conformeis com esse mundo, mas transformai-vos, renovando vossa maneira de pensar e julgar”... – Rm 12,2.

 A indignação é um descontentamento, mas não estaciona aí. Parte do princípio que em Deus, tudo pode mudar. Não podemos ter medo do mal, precisamos ter a ousadia: “No mundo tereis aflições. Mas tende coragem! Eu venci o mundo”. – Jo 16,33. A indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão e a coragem nos motiva a mudá-las.

 A esperança tem a ver com a fé no “esperar em Deus”: “a esperança não nos decepciona” –Rm 5,5, a esperança fundamenta a fé - Hb 11,1, é algo que temos que trazer a memória - Lm 3,21, o combustível da esperança é a coragem - Sl 26(27),14.

 O Advento, tempo de “espera por Aquele que vem”, nos faz matutar sobre a esperança que gera uma “santa” indignação que nos tira da indiferença e a coragem de fazer diferente.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


E como crerão naquele que não ouviram? - 12/01/2018

Você faz alguma coisa ou só prega? - 11/01/2018

Mundo de informações... podemos filtrar o que é bom? - 10/01/2018