Reflexões / Matutações

Voltar a Deus e amá-Lo

29/11/2017

Encontrei esta matutação nos rascunhos de uma cartilha...

 A ação divina busca um único objetivo: fazer voltar a Deus os seres criados para amá-Lo e para se entregarem sem reservas a Seu amor. Em consequência desta pedagogia, a maior perspectiva da vida cristã é a ardente procura de Deus. Este deve ser o ideal de cada um: procurar verdadeiramente a Deus em sua vida, para ser Ele o centro de suas preocupações, de seus desejos íntimos, de sua atividade.

 Diante desta realidade, é evidente a necessidade de que Deus tome em mãos nossa alma, nossa vida, nosso coração, todo o nosso ser para formá-los à sua imagem e estabelecê-los na feliz impossibilidade de nos separarmos d’Ele. Tomando-nos em Suas mãos, Deus Pai atribui ao Espírito Santo o trabalho de nos formar, de nos educar, de nos santificar, trabalho este que estará marcado em nós pelo amor que o Espírito Santo possui em plenitude, pois Ele é o amor entre o Pai e o Filho.

 O Espírito Santo tem a missão de conduzir-nos à santidade, pela intimidade pessoal, vivida com Deus. E o que é a santidade senão o amor perfeito de Deus em nós? Ser santo é amar a Deus de todo o coração, com toda a alma, com todas as forças. Mais santos seremos quanto mais o amor de Deus mergulhar suas raízes profundamente em nós e apossar-se do governo de nossa vida. O que constitui a santidade numa alma é:

 a) A união com Deus: não uma união passageira e fugitiva, mas um encontro de coração, habitual e permanente. Isso implica dizer que a santidade reside na conversão da alma para Deus.

b) A pureza: Tudo o que mancha a alma, tudo o que a faz menos pura, é desvio de amor e, como consequência, enfraquece e retarda seu movimento para Deus.

c) A firmeza: Os bens deste mundo, finitos e passageiros, deve-se procurar com medida; a Deus, deve-se procurar sem medida; a posse de Deus, fim supremo de nossa vida, exige firmeza em sua procura. Daí ter fidelidade apesar das tentações, perseverança nos propósitos, abandono à providência divina.

 O Espírito de Deus é amor e esse amor é Deus. Assim sendo, participamos da eterna e imutável estabilidade de Deus, isto é, participamos de um amor que não muda, não acaba, não varia; participamos de um amor sólido, permanente e duradouro.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O conteúdo do Natal nos Padres da Igreja - 14/12/2017

Perdemos o senso do Natal! - 13/12/2017

Dia de Nossa Senhora de Guadalupe - 12/12/2017