Reflexões / Matutações

A finalidade do grupo de oração é comunidade

25/10/2017

Matutava que é preciso, sem saudosismos e murmurações, não esquecer e mesmo retomar “algumas coisas” que no “início” foram e continuam sendo importantes para compreendermos o “kairós” que estamos vivendo e desta forma não desperdiçarmos a “graça que é derramada” hoje na Igreja.

 Um dos “livros do começo”, “A realização das Promessas de Deus” - 1976, de James Byrne. traz um parágrafo instigante: “Os encontros (grupos) de oração não se destinam a produzir ardores farisaicos ou exaltações espirituais ou emocionais temporárias, em pessoas que não têm nenhum contato pessoal entre si. Eles não são fechados em si mesmos. O encontro (grupo) de oração não é um fim em si, mas sua finalidade é construir uma comunidade adulta de cristãos”.

 O derramamento do Espírito Santo tem por finalidade, não somente a de reconciliar os homens com Deus, mas também de reconciliar os homens entre si. Esta reconciliação modifica o coração dos homens, tornando-os dispostos a perdoar e de se relacionar a partir da caridade, criando uma nova maneira de viver em sociedade: a comunidade cristã.

 No discurso de despedida em que Cristo promete aos apóstolos que enviará sobre eles o seu Espírito, dá-lhes também o grande mandamento: "Este é o meu mandamento, que vos ameis uns aos outros, como eu vos amei" - Jo 15,12. Em seguida, reza para o Pai por todos aqueles que crerão nele: "Para que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, para que também eles estejam em nós e o mundo creia que tu me enviaste... Para que todos sejam perfeitamente um, e o mundo creia que me enviaste e os amaste, como amaste a mim" - Jo 17,20. Ora, isso implica em comunidade cristã!

 A vontade de Deus, a respeito da união entre os homens, é revelada claramente por Jesus Cristo, sendo um fator importante no Plano de Deus. A união entre os cristãos é um testemunho visível do amor de Deus para com os homens, concretizado na morte e ressurreição de Jesus. Os primeiros cristãos, com efeito, o compreenderam assim. Após o derramamento do Espírito em Pentecostes "eles eram perseverantes em ouvir o ensinamento dos apóstolos, na comunhão fraterna, na fração do pão e nas orações. (...) Todos os que abraçavam a fé viviam unidos e possuíam tudo em comum, vendiam suas propriedades e seus bens e repartiam o dinheiro entre todos, conforme a necessidade de cada um. (...) E cada dia, o Senhor acrescentava a seu número mais pessoas que seriam salvas” - Atos 2,42.

 São Paulo ao expor sua doutrina a respeito dos carismas, vincula o ensino à doutrina sobre o Corpo Místico, onde a razão de ser dos carismas encontra-se no bem comum, da comunidade, para edificação da Igreja, que é a união de todos os cristãos - 1Cor 12,12. "Os carismas são dados e praticados para levar o único Corpo de todos os cristãos a maior desenvolvimento da vida fraterna” - Ralph Martin.

 Os Grupos (Reuniões) de Oração produzirão todos os seus frutos quando se abrirem para um cristianismo vivido em conjunto, quando buscarem a vida fraterna. A experiência do Espírito que se realiza neles, Grupos de Oração, liberta forças, pelas quais os cristãos que dele participam, passam a construir uma comunidade onde se aprofunda o conhecimento e a experiência de Deus, em que a vida cotidiana se torna um seguimento sincero de Jesus no serviço ao outro e onde se manifesta o Amor de Deus para cada um e para todos os homens.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O conteúdo do Natal nos Padres da Igreja - 14/12/2017

Perdemos o senso do Natal! - 13/12/2017

Dia de Nossa Senhora de Guadalupe - 12/12/2017