Reflexões / Matutações

Liberdade

28/09/2017

A partir de Hegel, a história contemporânea considera-se uma história da liberdade. O homem durante a transição para o moderno modo de pensar, no Iluminismo, havia tentado libertar-se das cadeias do pensamento medieval. Sua meta não era mais a ordem de Deus, mas a própria subjetividade, empenhando-se numa árdua luta pela liberdade.

 No iluminismo e no idealismo alemão o homem procurou a liberdade de pensamento; no marxismo a liberdade dos condicionamentos sociais; na psicologia a liberdade de si próprio. Hoje a palavra liberdade indica a “tendência de eliminar qualquer tipo de imposição, de vinculo ou dependência, a redução da liberdade a um libertar-se e a um ‘ser-libertado’ não somente das relações sócio-políticas impositivas, mas também – em última instância – de ‘tudo que é vigente’” – W. Beinert.

 Percebe-se que tais orientações cortaram vínculos e relacionamentos afetivos, mas não conseguiram realizar uma verdadeira liberdade. Produziram novas imposições e, por isso mesmo, a questão da liberdade e das possibilidades de um verdadeiro humanismo permanecem ainda sem resposta.

 Infelizmente a Igreja, na sua história, nem sempre pregou de maneira eficaz a promessa de liberdade em Deus por Jesus Cristo, contida no Evangelho, sobretudo no pensamento de Paulo e João. A falta de uma pregação coerente permitiu que o homem e o mundo moderno “escapassem”. Em vez de assumir o protagonismo da liberdade que lhe cabe por sua natureza, às vezes ficou conhecida como promotora de opressão. Situação que, em algumas situações, perdura.

 A liberdade é sinônimo da plena realização humana. Ela não consiste na auto-emancipação, mas na união com Deus criador, o qual, como ser absolutamente livre, dá a liberdade de modo a torna-la liberdade própria do homem. Somente Deus torna possível a liberdade; é graça, uma graça que no mundo de pecado torna-se redenção. O homem perfeitamente livre é completamente ele mesmo, não sofre nenhuma alienação. A verdadeira liberdade se conquista através do vínculo e da união com Deus que se revela em Jesus Cristo.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017

O fermento dos fariseus - 17/10/2017

Os tempos atuais não são fáceis.. - 16/10/2017