Reflexões / Matutações

Testemunhas de Cristo, pelo poder do Espírito Santo

24/07/2017

Li na Encíclica Christifideles Laici, S. João Paulo II, uma oração dirigida a Nossa Senhora:

“Virgem corajosa... Ensina-nos a tratar as realidades do mundo com vivo sentido de responsabilidade cristã e na alegre esperança da vinda do Reino de Deus, dos novos céus e da nova terra... e podermos contribuir para a implantação da civilização da verdade e do amor sobre a terra, segundo o desejo de Deus e para a Sua glória”. – Ch.L. 64.

 Fiquei matutando... Diante da secularização e avanço de uma “cultura de morte”, cremos que o Espírito Santo não deixará de enriquecer o testemunho cristão com os "dons espirituais e os carismas que Ele concede à Igreja". Sobretudo aqueles que ajudam de modo especial, a vida no Espírito: o gosto pela oração, o amor pelas Escrituras e a Igreja, o ardor missionário até o martírio, a vida fraterna que leva o mundo a dizer admirado “vede como se amam”...

 O Espírito Santo comunica a Igreja seus carismas para que vivamos a caridade e a santidade neste mundo que se torna, cada vez mais, adverso ao Evangelho de Cristo. É preciso responder com criatividade as situações culturais e sociais do presente. Como no início da pregação da Boa Nova, precisamos do impulso inovador e poderoso do Espírito Santo.

 Precisamos suscitar, na força do Espírito, a conversão interior sem a qual dificilmente o homem pode resistir às tentações da carne e à concupiscência do mundo. O nosso tempo tem grande necessidade de cristãos que, como raios de luz, saibam comunicar o fascínio do Evangelho e a beleza da vida nova no Espírito.

 Precisamos corresponder ao Evangelho de Cristo com a audácia da fé, que é mãe de todos os milagres de amor, e com aquela sólida confiança que nos faz suplicar a Deus todo o bem para a salvação das nossas almas. Como discípulos de Jesus, devemos aplicar-nos no seguimento dos seus ensinamentos, num caminho permanente conversão e santidade.

 Ser “testemunhas de Cristo, pelo poder do Espírito Santo” – Atos 1,8, esta é a nossa vocação e missão, numa sociedade onde a razão humana parece não conhecer “a sabedoria que vem do Alto”- Tg 3,17. Colocar ânimo e zelo em nossas atividades de apostolado, plantar a semente da esperança fecunda no quotidiano de nossas comunidades e relações.

 Matutei: a fé cristã nos leva olhar para “o novo céu e para a nova terra - Ap 21,1, mas isso não nos aliena, pelo contrário nos engaja na responsabilidade pela terra presente. Assim devemos nos sentir mais decididos a não descuidar dos deveres de cristãos-cidadãos presente no mundo. Dessa maneira poderemos contribuir para "a edificação de um mundo à medida do homem e plenamente conforme com o desígnio de Deus" – Ecclesia de Eucharistia 20.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017

O fermento dos fariseus - 17/10/2017

Os tempos atuais não são fáceis.. - 16/10/2017