Reflexões / Matutações

O Espírito Santo é Espírito de profecia

28/06/2017

Preparando um encontro para pregadores, encontrei um rascunho com uma anotação: o Espírito Santo é Espírito de profecia; é a força que permite falar em nome de Deus e com a autoridade de Deus. Na vida de Jesus isso aparece claro desde o começo: no Jordão, o Espírito desceu sobre Ele e O “ungiu para anunciar a Boa Nova aos pobres” - Lc 4,14.18.

 Fiquei matutando... Aquilo que aconteceu com Jesus, no inicio de sua atividade messiânica, repete-se na Igreja, no inicio de sua missão. O Pentecostes está para os Atos, como o batismo de Jesus está para os Evangelhos. O batismo no Jordão foi o Pentecostes de Jesus, o Pentecostes foi o batismo no Espírito da Igreja.

 O Espírito está em função do anúncio da Palavra: “recebereis o poder do Espírito Santo que virá sobre vós, para serdes minhas testemunhas”- At 1,8. Na pregação de Pentecostes, Pedro cita o profeta Joel e deixa claro que o Espírito Santo, descido sobre a Igreja, é Espírito de profecia que, agora, diferente do Antigo Testamento, é derramado “sobre toda carne” para que filhos e filhas, escravos e escravas profetizem!

 A atividade primária da Igreja é o anúncio de Cristo morto e ressuscitado. A Igreja faz o seu ingresso no mundo, no dia de Pentecostes, “levantando a voz” para ser ouvida pela multidão. "Vocês o crucificaram, Deus o ressuscitou dos mortos"! - At 2,23. Esse grito é o anúncio de Pedro, em nome de todos nós: "Portanto, que toda a casa de Israel fique sabendo com absoluta certeza que Deus estabeleceu como Senhor e Messias a esse Jesus que vocês crucificaram"! - At 2,36. Há uma extraordinária força e autoridade nas suas palavras que não procedem certamente dele, que pouco antes tinha tido medo de se defrontar com uma simples criada.

 A fé depende do anúncio - Rm 10,17, a conversão e a vinda dos homens para a fé estão em risco. A Palavra é o "lugar" do encontro decisivo entre Deus e o homem. A Liturgia, elemento essencial na vida da Igreja, vem depois. Uma bela liturgia edifica e faz crescer aqueles que já têm fé, mas os que precisam se achegar à fé ai não estão! O Evangelho precisa ir até eles para que, ouvindo, fiquem com "o coração compungido", como aconteceu com aqueles que ouviram Pedro no dia de Pentecostes - At 2,37.

 Por que o fenômeno alarmante de tantos cristãos que abandonam da fé? Qual o motivo que os atrai a tantas filosofias e ideologias? São atraídos por alguma palavra "fundamental" que não encontram em nossas pregações. Por isso é preciso profecia, um anúncio que os ponha em contato com a pessoa de Jesus. Um anúncio que, como o de Jesus, não comece pelos deveres ou pela reforma social, “mas pelo dom de Deus, pela graça; não por aquilo que o homem deve fazer, mas por aquilo que Deus fez por ele” – padre Raniero Cantalamessa.

 Precisamos mudar nossa mentalidade, precisamos de uma nova coragem, um Espírito profético, o Espírito de Pentecostes: "nos últimos dias – e são esses dias - derramarei do meu Espírito sobre toda carne e vossos filhos e filhas profetizarão [...] mesmo sobre os meus escravos e escravas derramarei do meu Espírito, naqueles dias, e profetizarão”- At 2,17.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017

O fermento dos fariseus - 17/10/2017

Os tempos atuais não são fáceis.. - 16/10/2017