Reflexões / Matutações

O carisma da profecia

23/06/2017

Depois da pregação de Salvatore Martinez sobre o “carisma da profecia”, no Seminário de Carismas, saimos para comer uma pizza e para um “dedo de prosa”. A conversa “esticou” o que foi tratado no Seminário... No meu quarto, fiquei matutando...

 Necessitamos do Espírito de profecia para o anúncio do Evangelho. João, no Apocalipse escreveu: "O testemunho de Jesus é o Espírito de profecia" - Ap 19,10. E isto exige o cumprimento da promessa que Jesus fez aos discípulos: "Recebereis a força do Espírito Santo e sereis minhas testemunhas" - Atos 1,8. Não se pode anunciar Jesus como Senhor, de maneira eficaz, senão com a força do Espírito. Os apóstolos são "aqueles que pregaram o Evangelho no Espírito Santo" - 1Pd1,12.

 Entre anunciar simplesmente o Cristo "na doutrina" e anunciá-la "no Espírito Santo" existe a mesma diferença que há entre o anunciar a Palavra, estando “fora” de sua esfera de ação, do seu domínio e da sua "conquista", livres e neutros frente a ela, e anunciá-la estando "dentro" da Palavra, sob a sua conquista misteriosa, movidos por ela, em vital contato com ela, atingindo por ela a força e a autoridade. No primeiro caso temos uma transmissão de doutrina, no segundo uma transmissão de existência, de vida, temos profecia!

 Pedro chama isso um falar "com palavras de Deus": "Se alguém fala, fale como se fossem palavras de Deus" - 1Pd 4,11. Neste caso realiza-se qualquer coisa que reclama aquilo que acontece no momento em que a Palavra foi posta pela primeira vez por escrito, isto é, na inspiração bíblica. "Movidos pelo Espírito Santo, falaram aqueles homens da parte de Deus" - 2Pd 1,21. O dia de Pentecostes aconteceu justamente assim. Movidos pelo Espírito Santo, falaram aqueles homens por parte de Deus. E sabemos o que aconteceu: três mil pessoas sentiram o coração compungido e se converteram para a fé.

 É preciso – matutei – anunciar o Evangelho de modo profético; doutro modo permaneceremos, não obstante a todo esforço, no mesmo plano do mundo. Será uma mensagem diferente de qualquer outra por seu conteúdo – e isso já é uma coisa importante – mas não será à força de conversão, ou o principio que anima a vida nova, não será “água viva” que sacia a sede. Não será profecia!

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017

O fermento dos fariseus - 17/10/2017

Os tempos atuais não são fáceis.. - 16/10/2017