Reflexões / Matutações

A tentação pode ser positiva!

14/06/2017

Lendo um livro do professor Felipe, “Sofrendo na Fé”, encontrei uma frase de Santo Agostinho: “Nossa vida é uma peregrinação. E, como tal, está cheia de tentações. Porém, nossa maturidade se forja nas tentações. Ninguém conhece a si mesmo se não é tentado; nem pode ser coroado, se não vence; nem vencer, se não luta; nem lutar, se lhe faltam inimigos” – Enarrationes in psalmos, Salmo 60.

Fiquei matutando que somente enfrentando e superando a tentação é que a virtude se consolida e se torna forte. Este é o sentido das tentações que sofremos; o significado positivo, dentro dos planos de Deus. Entendo por tentação tudo aquilo que, vindo de dentro ou de fora de nós, nos incita à prática de um mal moral, de um pecado ou a desistência de fazer um bem.

A tentação pode ser positiva! Isso não é para soar “estranho”. No “Pai Nosso”, Cristo nos ensina a pedir de modo absoluto: “livrai-nos do mal”, mas não em relação às tentações. Não nos faz pedir ao Pai que as elimine da nossa vida, mas que não nos “deixe cair” nelas. Isso nos faz “matutar”...

A tentação pode ser-nos muito útil para firmar-nos no bem. É um “benefício” que a própria palavra tentação sugere: “prova, uma prova, um teste da virtude: “Feliz o homem que suporta a tentação. Porque depois que tiver sido provado, receberá a coroa da vida, que Deus promete aos que o amam” – Tg 1,12.

A tentação prova-nos como o fogo prova o ouro – 1Pe 1,7. Os justos que tiveram de enfrentar sofrimentos e provações, assim Deus os provou e os achou dignos de Si. Ele os provou como ouro na fornalha, e os acolheu como holocausto – Sab 3, 5-6. Nossas virtudes são testadas constantemente, todos os dias encontramos motivos para desistir. Deus permite as tentações, não para que nos impedir a prática do bem, mas para nos incentivar a praticá-lo com maior autenticidade e convicção.

As virtudes não consistem em sentimentos e sentimentalismos, mas em bons hábitos práticos, que devem ser vividos em todas as circunstâncias, favoráveis ou adversas. “Existem alguns que querem ser humildes, mas sem serem desprezados; querem contentar-se com o que têm, mas sem padecer necessidade; ser castos, porém sem mortificar o corpo; ser pacientes, mas sem que ninguém os injurie. Quando querem adquirir as virtudes, fugindo ao esforço que as virtudes trazem consigo, é como se, ignorando e nada querendo saber dos combates no campo de batalha, quisessem ganhar a guerra vivendo comodamente na cidade”- S. Gregório Magno +604.

A verdade é que não somos “provados além do que é humanamente suportável. Deus é fiel e não permitirá que [sejamos] provados acima de [nossas] forças. Pelo contrário, junto com a provação Ele providenciará o bom êxito, para que [possamos] suportá-la” – 1Cor 10,13.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O essencial na vida cristã - 23/10/2017

A maturidade cristã - 20/10/2017

O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017