Reflexões / Matutações

Uma corrente de graça de renovação

30/05/2017

Continuando a releitura de textos do começo da Renovação Carismática, afinal estamos no Ano do Jubileu – 50 anos! Alguns livros foram e continuam sendo essenciais para compreender este “movimento” que está a serviço de “uma corrente de graça de renovação” que está na Igreja e que se expressa de diversas maneiras: “é bom lembrar que a atual Renovação Carismática não é o primeiro movimento de renovação na história da Igreja, e que também não é o único movimento de renovação que anima atualmente a vida de Igreja”.

 Estes e outros parágrafos, que transcrevo, parágrafos que me fazem matutar até hoje, estão no Livro “Orientações Teológicas e Pastorais da Renovação Carismática Católica”, Loyola, 1975, resultado da Reunião de Malines, por isso conhecido como Documento de Malines 1, de iniciativa e coordenação do Cardeal Suenens, com a colaboração de renomados teólogos como: Yves Congar, Walter Kasper (cardeal) Joseph Ratzinger (Bento XVI). O livro foi publicado no Brasil por inciativa do padre Eduardo Dougherty, pela Comissão Nacional de Serviço.

 – Se o Espírito e os carismas são inerentes à natureza da Igreja, são igualmente constitutivos da vida cristã e de suas diiversas expressões, tanto comunitárias quanto individuauis. A pluralidade dos carismas no Corpo de Cristo é parte da estrutura da Igreja, e significa que não existes cristão que não tenha carisma... Neste sentido, cada cristão é um carismático e, portanto, tem um ministério a exercer na Igreja e no mundo.

 – Embora o Espírito se manifeste em diferentes ministérios que servem a diferentes funções, as quais podem variar em gênero e grau, todavia a Igreja inteira e todos seus membros participam do Espírito. Não há uma classe especial de portadores do Espírito, não há grupo separado de crentes repletos do Espírito. A plenitude da vida abundante do Espírito é um bem comum de toda a Igreja, embora nem todos se apropriem dele com igual intensidade

 – O alvo da Renovação não é levar a pessoa a uma experiência única, mas antes, a uma vida em Cristo pelo Espírito, num contínuo crescimento. (a vida no Espírito).

 – Está (a RCC) consciente também de que, como pode haver tirania por um dogmatismo abstrato ou por um formalismo ritual, pode haver uma tirania de experiência subjetiva... o progresso espiritual não se identifica, de forma alguma, com uma sucessão de experiências cruciais e exaltantes.

 – Um dos desenvolvimentos mais importantes na Renovação católica é um profundo senso comunitário. Este passo em direção à comunidade reveste-se de formas variadas... A Renovação deseja estimular uma variedade de estruturas comunitárias... Um dois mais importantes resultados da Renovação é o despertar do senso comunitário...

 – Uma comunidade ou grupo de oração constitui um ambiente de liberdade, de confiança e de partilha mútuas, no seio do qual as relações interpessoais podem alcançar um nível profundo de comunhão, graás a uma abertura comum ao Espírito de amor... Isto tende a fazer do grupo uma comunidade de intensa participação... A primeira comunidade cristã oferece um notável exemplo de grupo de participação intensa...

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


Conversão - 15/12/2017

O conteúdo do Natal nos Padres da Igreja - 14/12/2017

Perdemos o senso do Natal! - 13/12/2017