Reflexões / Matutações

Velhas matutações

05/05/2017

Estava preparando um ensino para a comunidade e encontrei, num bloco, algumas matutações do começo do caminho – “velhas matutações”. Espantado e agradecido, partilho...

  • Papa Paulo VI – hoje beato - em 1966: “de que vive a Igreja hoje?A questão refere-se àquilo que é o princípio interior de sua vida;princípio original, que a distingue de qualquer outra empresa; princípio vital, como a respiração durante a vida física do homem;princípio divino, que é a terra do filho de um filho do céu, e a Igreja como sua personalidade mística: o Espírito Santo.A Igreja vive do Espírito Santo.A Igreja é verdadeiramente nascida, podemos dizer, no dia de Pentecostes.A primeira necessidade da Igreja é viver sempre Pentecostes”! Viver Pentecostes! Não será isso a vida no Espírito?
  • Concílio Vaticano II: “no dia de Pentecostes foi enviado o Espírito Santo para continuamente santificar a Igreja, para que os crentes possam ter acesso ao Pai por meio de Cristo em um só Espírito.Ele é o Espírito que dá a vida, é uma fonte de água que jorra para a vida eterna... O Espírito habita na Igreja e nos corações dos fiéis como num templo... Ele guia a Igreja em toda a verdade e unificando-a na comunhão e no ministério, instrui e dirige com dons hierárquicos e carismáticos, adornando-a com seus frutos” – Lumen Gentium 4. Carismas!
  • O Espírito Santo aperfeiçoa união da Igreja com Cristo e com Deus, e a Igreja e todos os seus membros, e fiéis. É o Espírito Santo que dá a vida, por meio da ação da graça, a todo o corpo e membros da Igreja.Ora, se a Igreja vive da animação e ação santificadora do Espírito Santo, então a Igreja precisa do Espírito Santo; uma necessidade básica, fundamental, existencial, que não pode ser satisfeita por um substituto, senão pelo próprio Espírito Santo. É essa uma verdade de nossa fé!
  • Portanto, se amamos a Igreja, a principal coisa que precisamos fazer é promover a efusão do Paráclito, o Espírito Santo. O batismo no Espírito Santo! E se aceitamos o Concílio, que dá tanta importância ao Espírito Santo na Igreja, devemos promover a sua experiência na Igreja para sua renovação, e alinhar neste sentido nossa vida cristã pessoal. (Anotei isso em 1978! D. Alberto Taveira, recentemente afirmou que “o nosso apostolado é Pentecostes”!)
  • Muitos preferem ver no Concílio uma direção horizontal somente e exclusivamente: a comunidade humana, o povo, os pobres, aos quais temos de levar a mensagem da fé e o dom da caridade. Isso é muito verdadeiro e belo; mas também o Concílio reafirmou que Deus - seu mistério, sua caridade, sua adoração, a sua verdade, a sua espera - permanece sempre em primeiro lugar.Cristo, o mediador entre o homem e Deus, é o Redentor necessário.O Espírito, que nos faz cristãos e nos eleva à vida sobrenatural, é o verdadeiro e íntimo princípio de nossa vida interior e de nossa atividade apostólica.

Depois de ler as “velhas matutações” fiquei em silêncio e rezei agradecendo a Deus por tanto que Ele me concedeu nestes anos todos...

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017

O fermento dos fariseus - 17/10/2017

Os tempos atuais não são fáceis.. - 16/10/2017