Reflexões / Matutações

A oração tem o poder de transformar

26/04/2017

Num destes dias estava matutando na vida dos santos e a importância que tiveram na história. Muitos passaram anos na prisão, outros foram incompreendidos e exilados, perseguidos, suportaram o “fracasso”... Todos, sem excessão, experimentaram solidão, silêncio, dor... Viveram o conflito da cruz. O “espaço” que vivenciaram este conflito foi a oração...

 Matutava... Parece que Deus quando entra em nossa vida, “nos agarra pelos cabelos e nos obriga ao silêncio, a reflexão, a oração” – Pe. Arturo Paoli, porque do contrário, não chegaremos à raiz do nosso ser, de nossa vocação e não conheceremos o sentido de nossa vida. Se não “descermos” ao núcleo de nossa existência, se não descobrirmos nossa nudez, se não nos desarmarmos totalmente, não descobriremos nossa identidade, nunca seremos uma pessoa. Jamais deixaremos marcas por onde passarmos.

 Jesus Cristo retirava-se para oração, buscava a solidão, procurava o silêncio. Hoje, vivemos um tempo em que a oração, o silêncio, a solidão frutuosa, são coisas desvalorizadas. Mesmo na quando rezamos somos barulhentos e agitados... Corremos o risco de não compreender o sentido de nossa vocação... Muitos passam a vida buscando o sentido para suas vidas e morrem sem encontrar aqui!

 A oração tem o poder de transformar e é o meio de crescimento espiritual, em certo sentido, ela é o próprio crescimento espiritual. Identifica-se com a sabedoria e a sabedoria não é somente a capacidade de entender e procurar as coisas espirituais, mas também a capacidade de situar-se no mundo e descobrir a razão de estarmos aqui. A oração não extermina as dúvidas, que são próprias da condição humana, mas dá folego para buscar as respostas e certezas.

 Não devemos pensar que o cristão adulto e maduro seja uma pessoa mágica que aperta um botão e as soluções aparecem luminosas. Pelo contrário, o cristão maduro é uma pessoa de busca, que enfrenta suas dúvidas e, sobretudo, é dócil ao Espírito Santo, que atua como se fosse um “instinto”, uma “intuição interior” que mostra o caminho a seguir.

 Os santos viveram esta busca e enfrentaram suas dúvidas; sofreram a “cruz do dia a dia”, foram homens e mulheres no sentido exato da palavra. Não suplantaram o “ser humano”, mas em Cristo, pelo Espírito Santo, foram transfigurados.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017

O fermento dos fariseus - 17/10/2017

Os tempos atuais não são fáceis.. - 16/10/2017