Reflexões / Matutações

Quaresma... O sentido da morte de Cristo

23/03/2017

Por ocasião da Quaresma fiquei matutando... O sentido da morte de Cristo é a manifestação do amor de Deus aos homens. Foi por amor ao Pai e aos homens que levou o Filho a entregar sua vida - Jo 14,31. Amor não motivado, amor de pura benevolência - 1Jo 4,10. Ao amor do Pai corresponde o amor do Filho, que na cruz se exprime num sim ao Pai e na redenção dos homens.

 A morte de Cristo foi sacrifício de reconciliação oferecido ao Pai em favor dos homens. Sua entrega é um ato de liberdade. Ele não apenas aceitou e sofreu a morte necessária, mas voluntariamente entregou a vida em testemunho de sua obediência ao Pai e de seu amor aos homens. Toda sua vida é mistério de Redenção. Tudo o que Jesus fez, disse e sofreu, tinha por meta restabelecer o homem caído na sua vocação primeira: Quando ele se encarnou e se fez homem, recapitulou em si mesmo a história dos homens e nos propiciou a salvação, de sorte que aquilo que havíamos perdido e Adão, Cristo Jesus recuperou – CIC 518.

 A morte de Cristo foi vitória sobre o pecado, o diabo e a morte. Conforme a Escritura, o pecado, a morte e o demônio eram os senhores deste mundo antes da vinda de Cristo - Rm 5,12. A cruz é o sinal da vitória de Cristo! Na Semana Santa exaltamos a cruz, não como instrumento de tortura e dor, mas sim como triunfo sobre tudo aquilo que nos escravizava!

 A carne, no sentido de humanidade, foi o instrumento pelo qual Adão pecou, tornando-se sede da miséria humana. Deus quis salvar os homens mediante carne, a fim de vencer o pecado através do instrumento mesmo do pecado. Fez com que os instrumentos do pecado e da morte se tornem recursos para a vida e a glória - Rm 8,3. Jesus, fazendo-se voluntariamente às vezes da humanidade pecadora, libertou do jugo do pecado todos os homens.

 Desde a tentação no deserto até a cruz, Satanás quis dominar Jesus; instigou os homens contra o Santo de Deus, que se apresentou como seu antagonista, como homem, semelhante àquele que ele suplantara no primeiro encontro. No encontro com o “segundo Adão”, Satanás foi derrotado pelo adversário que ele havia derrotado.

 Cristo inocente nada devia à morte - Jo 12,31. Por isso ela não o pôde deter - Ap 1,18. Assim a morte só podia servir à glorificação de Cristo: ressurreição. Ela ainda permanece no mundo, mas agora servindo para a nossa glorificação. A morte é o inimigo que nos dá a ocasião da vitória definitiva. No dia da consumação final, ela será destruída - 1Cor 15,26.

 A vitória de Cristo sobre o pecado, o demônio e  a morte trouxe Paz ao mundo - Rm 5,1. A obra de Cristo é essencialmente Amor e Misericórdia!

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O essencial na vida cristã - 23/10/2017

A maturidade cristã - 20/10/2017

O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017