Reflexões / Matutações

A redenção

22/03/2017

Preparando um Retiro, relia um livro de Thomas Merton (+1968), monge trapista que iluminou o início de meu caminho cristão, e um paragrafo me fez ficar matutando...

 “A redenção não é simplesmente um fato histórico passado, com efeito jurídico sobre almas individuais. É uma realidade sempre presente, viva e eficaz, que penetra nas mais íntimas profundezas do nosso ser pela palavra da salvação e o mistério da fé. A redenção é o próprio Cristo ‘que se tornou para nós sabedoria e justiça de Deus, santificação e redenção’ - 1Cor 1,30, vivo e partilhando Sua vida divina com Seu eleito. Ser redimido não é apenas ser absolvido da culpa diante de Deus; é também viver em Cristo, renascer pela água e pelo Espírito Santo para ser nele nova criatura, viver no Espírito” – Tempo e Liturgia.

 Toda a vida de Cristo é mistério de Redenção. A Redenção nos vem antes de tudo pelo sangue da Cruz, mas este mistério está em ação em toda a vida de Cristo: já na sua Encarnação, fazendo-se pobre enriqueceu-nos com sua pobreza; em sua vida oculta, por sua submissão reparou nossa rebeldia; sua palavra purifica nossos corações; na cruz “levou as nossas fraquezas e carregou as nossas doenças” - Mt 8,17. Sua Ressurreição nos justifica!

 O fato de que Deus se fez homem e viveu em tudo, menos o pecado, a vida de um homem desde a concepção no seio materno até a morte, é obra de Redenção. Com efeito; pelo contato com a natureza e as etapas da vida humana, Deus divinizou e deu novo sentido a tudo o que é do homem.

 Por sua própria existência, Cristo realizou a união e a reconciliação entre Deus e os homens na raiz. A vida e as obras de Cristo descobriram o que estava contido nessa raiz. Pelo fato de estar unida a Deus como nenhuma outra criatura, a natureza humana de Cristo está no ápice das criaturas. Nenhuma criatura pode voltar a Deus senão por Cristo. Tudo neste mundo é avaliado em função de Cristo. Todo o universo converge para Cristo e se recapitula nele - Cl 1,16.

 Pela encarnação do Verbo a criatura humana foi elevada, assim as demais criaturas também foram chamadas a nova forma de vida: “eis que faço nova todas as coisas” – Ap 21,5. Isso justifica o empenho cristão em preservar e cuidar das coisas criadas, da natureza, dos biomas...

 A redenção é uma realidade sempre presente, pois Cristo se apropriou do tempo e o santificou, dando-lhe caráter sacramental, fazendo dele sinal eficaz de nossa união com Deus nele. “Assim, o ‘tempo’ é um meio que torna o fato da redenção presente a todos os homens” – Thomas Merton.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


Conversão - 15/12/2017

O conteúdo do Natal nos Padres da Igreja - 14/12/2017

Perdemos o senso do Natal! - 13/12/2017