Reflexões / Matutações

Mais testemunhas do que de mestres

16/03/2017

Numa tarde destas estava sentado lá na cruz do campo de Pentecostes... Matutava...

 O cristão possui em Cristo uma “abundância de vida” – Jo 10,10 que não pode guardar para si. É um enorme benefício para os homens conhecerem Deus e seu amor que vai da criação à parusia! Que alegria pertencer à comunhão viva dos santos que se sucedem ao longo da história, que são a glória da Igreja viva e o penhor de sua fidelidade diante de Deus! Viver um “cristianismo explicável”, de maneira "instalada e tranquila" é um prejuízo para o mundo!

 O cristão "humanamente explicável" não causa impacto a ninguém, não perturba o “comodismo e nem o conformismo do ambiente social”. Mas a partir do momento em que passa a viver sua fé, começa a criar problemas: choca pelas questões que desperta em torno de si. Quer se trate de sua vida conjugal, familiar, profissional, civil ou social: através de toda a sua existência, o cristão deve ilustrar suas referências vitais.

 Mais do que nunca, o mundo necessita de cristãos corajosos, que deixem transparecer o Cristo Jesus. “O mundo tem mais necessidade de testemunhas do que de mestres” – Paulo VI. Menos de palavras do que de exemplos. O mundo precisa descobrir o cristianismo na vivência dos cristãos. Necessita, como as crianças, de um catecismo ilustrado, projetado.

 O cristão deve proclamar o Evangelho através de toda a sua maneira de viver. São dois modos indissociáveis: o testemunho da coerência de sua fé e de sua vida, de suas opções, de suas preferências, de suas recusas; e pela conversão e arrependimento de tudo o que, em sua vida nega o Amor. Reconhecer que não amamos ou que não amamos suficientemente, é dar testemunho do Amor.

 Que é "eloquente" na realidade? Um discurso, sem dúvida, mas também um gesto, uma ação, uma atitude, uma vida. A própria revelação faz-se pela palavrae também pelos atos. O Concilio Vaticano II declara que a revelação divina culmina em Jesus Cristo "por toda a sua presença" e manifestação que dá de si mesmo por palavras e obras - Dei Verbum.

 "Por toda a sua presença". Quando se confirma o anúncio do Evangelho pelos feitos, pelas obras, pela vida, ultrapassa-se a dimensão da “doutrina” somente para “plantar a verdade” num contexto mais amplo e abrangente: a pessoa e o meio em que vive.

 "É por sua conduta, por sua vida, que a Igreja evangelizará primeiramente o mundo, isto é, por seu testemunho vivido de fidelidade ao Senhor Jesus, de pobreza e de desapego, de liberdade diante dos poderes deste mundo, numa palavra, de santidade" – E.N. 41.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


Conversão - 15/12/2017

O conteúdo do Natal nos Padres da Igreja - 14/12/2017

Perdemos o senso do Natal! - 13/12/2017