Reflexões / Matutações

Sobre a “vida no Espirito”

06/03/2017

Ando matutando sobre a “vida no Espirito”... “Se vivemos pelo Espírito, procedamos também de acordo com o Espírito”- Gl 5,25. Aquele que se deixa conduzir avança para a santidade. Aquele que é indócil ao Espírito Santo e obstrui sua ação, cai na tibieza, na "mediocridade espiritual", que é o avesso da santidade.

 São Tomás de Aquino ensina que Espírito Santo age em nós por seus dons: sabedoria, entendimento (ou inteligência); ciência, fortaleza, conselho, temor de Deus e piedade: Nosso esforço deve ser no sentido de cooperar, ser dócil, aos dons do Espírito. “Como no barco, os remos ajudam na medida em que os remadores remam na direção dos ventos que enchem as velas. Remar no sentido contrário aos ventos é esforço inútil”. Então resolvi matutar sobre cada um dos sete dons do Espírito, considerando o que São Tomás de Aquino nos diz.

 O dom de sabedoria

 Dom inseparável da caridade: quando o acolhemos docilmente, nos faz maravilhar e saborear as grandezas de Deus, as belezas de Deus, as bondades de Deus, as maravilhas da Graça divina e as exigências santas do Amor. Nos faz buscar a intimidade com a Trindade, presente em nossa alma, ver com “os olhos de Deus”, julgar com a “mente de Deus”, amar com o "coração de Deus”. Do dom da Sabedoria vem a alegria e o ardor da oração, a disposição para a missão, a caridade fraterna sem fingimentos, loucura de amor pela Eucaristia, o amor pela Palavra, o desejo de "ver o rosto de Cristo"...

 Quando obstruímos e expulsamos esse dom de nossa alma, as verdades sobre Deus e a Revelação, expostas pelo Magistério da Igreja, se tornam sem sentido e chatas; as exigências da fé insuportáveis. Nosso “paladar” para as coisas espirituais fica estragado.

 É impossível, sem o dom da sabedoria, sentir “o sabor das coisas divinas”...

 O sinal mais claro da resistência ao dom de Sabedoria é a preguiça, acídia, que é o "máximo" da tibieza: "uma forma de depressão devida ao relaxamento da ascese, à diminuição da vigilância, à negligência do coração" - CIC 2094, de modo que "chega a recusar até a alegria que vem de Deus e a ter horror ao bem divino" - 2094.

 Que tristeza uma alma preguiçosa! Um coração que experimentou a alegria da presença de Deus e que começa a perder fogo, pouco a pouco, até terminar na mais lamentável indiferença perante tudo o que não satisfaz o seu próprio egoísmo...

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017

O fermento dos fariseus - 17/10/2017

Os tempos atuais não são fáceis.. - 16/10/2017