Reflexões / Matutações

As dificuldades na oração...

22/02/2017

Muitos que conversam comigo falam das dificuldades na oração... Fico matutando: a oração não deve ser vista como uma obra realizada por nós a favor de Deus ou uma ação fruto somente de nosso esforço e dedicação. A oração é antes de tudo uma graça, fruto da presença viva de Deus em nós!

 “O Espírito vem em auxílio à nossa fraqueza; porque não sabemos o que devemos pedir, nem orar como convém, mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inefáveis” – Rm 8,26. Como é verdadeira esta expressão! Desejamos rezar, mas não dispomos das palavras, da linguagem para falar com Deus, nem sequer o pensamento. Só podemos abrir-nos, colocar nosso tempo à disposição de Deus, esperar que Ele nos ajude a entrar num diálogo verdadeiro.

 Este desejo de estar com Deus, embora nos falte palavras, é oração que o Espírito Santo não só entende, mas leva, interpreta junto de Deus. É precisamente esta nossa debilidade que se torna, através do Espírito Santo, verdadeira oração, diálogo autêntico com Deus. O Espírito Santo é o intérprete que nos faz compreender, a nós mesmos e a Deus, o que queremos dizer.

 Na oração experimentamos, mais do que em outros momentos, a nossa debilidade, a nossa pobreza e o fato de sermos criaturas, porque somos colocados diante da onipotência e da transcendência de Deus.

 A oração deve se tornar o suspiro quotidiano da nossa alma, e na medida em que progredimos neste caminho, compreendemos também o sentido do nosso limite, não apenas diante das situações concretas do dia a dia, mas também na própria relação com o Senhor. Assim nasce a necessidade de nos entregarmos cada vez mais a Ele e compreendemos que “não sabemos... rezar como convém”.

 A oração é acima de tudo o agir do Espírito Santo na nossa humanidade. Ele ajuda a nossa incapacidade, ilumina a nossa mente e aquece o nosso coração; assume a nossa debilidade para nos transformar de homens carnais em homens espirituais. O Espírito ao habitar na nossa fragilidade humana, transforma-nos, intercede por nós e conduz-nos rumo às alturas de Deus - Rm 8, 26. Santo Ambrósio dizia: “Quem se inebria do Espírito está radicado em Cristo”.

 A presença do Espírito Santo realiza a nossa união com Cristo, porque se trata do Espírito do Filho de Deus, no qual nos tornamos filhos. O Espírito orienta o nosso coração para Jesus Cristo, de modo que já não somos nós que vivemos; é Cristo que vive em nós – Gl 2,20.

 É o Espírito Santo nos faz clamar: Abba! Pai! – Rm 8,15.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O essencial na vida cristã - 23/10/2017

A maturidade cristã - 20/10/2017

O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017