Reflexões / Matutações

Embarcamos... Estamos “embarcados”...

03/02/2017

Moisés Jovem

Embarcamos... Estamos “embarcados”...

 "Por eu sois tão medrosos?" – Mc 4,40. Se a fé é a experiência do silêncio de Deus, é também a experiência do poder de Deus. Os apóstolos, em meio à tormenta, sofrem a tentação do medo. Podemos descobrir neles e em muitas experiências nossas, um medo instintivo, que não pede licença para surgir em situações de extremo perigo. O medo não reconhece qualificações morais.

 O medo, uma reação instintiva ao risco e ao desconhecido, àquilo que não controlamos, pode alcançar um estado moral qualificado como covardia, uma paralisia para todo compromisso exigente. Trata-se de uma situação interior que favorece o enfraquecimento da fé e dos valores evangélicos. Este é o medo que Jesus reprovou em seus apóstolos.

Ao encarar opções difíceis e decisivas, ao encarar de fato a decisão de "passar a outra margem", quase sempre aparece o medo, que traz com ele as tentações que afetam a fé. Quando os que estavam no barco experimentaram o poder de Jesus o medo deu lugar a um sentimento novo: o temor: “Eles sentiram um grande temor”. Sentimento de “uma Presença” e reverência, que incluí uma profunda confiança num poder salvador.

 Quem se decidir de fato a "passar a outra margem" perceberá que o temor e a confiança nascem no coração e o medo dá lugar às audácias da fé.

 Quem é esse que até os ventos obedecem?

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O essencial na vida cristã - 23/10/2017

A maturidade cristã - 20/10/2017

O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017