Reflexões / Matutações

Duas figuras e um combate

27/01/2017

Estava matutando... 40 anos! O mesmo tempo do “Povo de Deus” no deserto! Nossa história, neste tempo, é marcada por duas figuras e um combate: Moisés, Josué e a luta contra Amalec – Ex 17,8. O que Moisés faz? O que Josué faz? Moisés reza e Josué luta. E se Moisés não rezasse ou se Josué não lutasse? Josué seleciona os guerreiros e comanda a batalha. Mas a vitória esta ligada a Moises que escolhe a oração. Duas atitudes que não se excluem, pelo contrário, se complementam.

 Hoje em dia a consciência cristã interroga-se com angústia sobre o sentido de nossa presença no mundo. São Paulo fala de um combate espiritual. Nós preparamos com Cristo seu triunfo final sobre os poderes da morte. Trava-se uma batalha feroz através dos progressos duma civilização atraída por ídolos e afastada de Deus pelo orgulho humano, apoiado por Satanás, o misterioso adversário.

Um combate que exige a disposição para o martírio, no sentido de testemunhar a fé cristã num meio adverso a ela. Combate que deve levar os cristãos a assumir as reponsabilidades de estabelecer a “Civilização do Amor” – S. Joao Paulo II, ou seja, uma civilização fundada nos valores do Evangelho de Jesus Cristo.

 Como Moisés combate?O inimigo é terrível, todos os que podem empunhar uma arma são importantes e Moisés escolhe subir a montanha para rezar! Fez uma escolha. Não significa que ele está fugindo, mas que ele escolheu uma maneira de combater. Ele está disposto a enfrentar o inimigo de Deu como o fez contra o faraó. Arranca-se da planície e busca as “coisas do alto”. Para rezar é necessário subir ao “andar superior”! É fundamental: deixar que Deus nos mude nos molde.

 Como Josué combate?Josué luta contra Amalec, sendo figura da “luta árdua contra o poder das trevas (que) perpassa a história universal da humanidade. (Luta) iniciada desde a origem do mundo vai durar até o último dia” - CIC 408. O combate que é assumir o protagonismo histórico de construir o futuro a partir de valores da ética cristã, estando presentes na vida pública, na economia, na produção da cultura, na educação. Buscando, corajosamente, a restauração dos valores da família, da moral social...

 Uma atitude é referência para a outra, ocasião de revisão, enriquecimento, questionamento, relativização e crescimento e vice-versa. Oração e ação engajada se inter-relacionam e complementam. A ação brota da oração, é por ela questionada, nela reencontra seus critérios e revê sua opção. A ação, por sua vez, prova a oração, enriquece-a e questiona-a.

 Josué como Moisés, tem a plena convicção do projeto de Deus. É a partir dessa convicção profunda que se lançam de maneira complementar, a luta necessária.

 A convicção é fruto de um encontro pessoal com Deus, em Jesus Cristo, que leva o homem a participar positiva e plenamente da História da Salvação, que é a história do homem salvo e reconciliado em Jesus Cristo, Filho e Irmão, numa inserção cada vez maior e mais profunda nos grandes horizontes da Revelação: o trinitário, o cristocêntrico, eclesial e fraterno.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


Conversão - 15/12/2017

O conteúdo do Natal nos Padres da Igreja - 14/12/2017

Perdemos o senso do Natal! - 13/12/2017