Reflexões / Matutações

O medo é um dos grandes obstáculos para o anúncio

13/01/2017

“Dia desses” – como nós mineiros dizemos – estava “tirando um dedo de prosa” com alguns jovens da Comunidade, entusiasmados e falantes, e, de repente percebi que a “maturidade”, em idade e tempo de caminho, traz como efeito colateral ao conhecimento e experiência, “certo medo” que aparece disfarçado em vários comportamentos.

 Depois da “prosa”, fiquei matutando... O medo é um dos grandes obstáculos para o anúncio. Tem diversos rostos: medo de não ser aceito, do fracasso, da perseguição em suas múltiplas formas, etc. Péssimo conselheiro para a missão é o medo: leva-nos a calar quando devemos falar, a ocultar-nos quando devemos dar testemunho, retroceder quando deveríamos avançar.

 O medo se reveste de falsa prudência quando devemos arriscar e nos lançar, com ousadia, a conquistar novos horizontes apostólicos. O medo gera uma série de desculpas “esfarrapadas” para evitar o comprometimento, que vão desde “quem sou eu para...” até “eu não tenho tempo”... Assim justificamos, às vezes, nosso silêncio e nos acovardamos diante dos desafios do que dia a dia.

 Os Apóstolos experimentaram uma mudança radical em suas vidas quando o Espírito Santo veio sobre eles em Pentecostes: adquiriram coragem e ousadia para o anúncio. Dali em diante, nem açoites, nem cárceres, nem ameaças, nem a recusa de alguns, conseguiram impedi-los de testemunhar o Evangelho. O ardor, a audácia e a urgência que experimentavam os levaram a empreender as mais audazes aventuras e assumir os maiores riscos, contanto que Cristo fosse anunciado, conhecido e amado por todos. Mártires! O mundo não foi mais o mesmo!

 O Senhor nos chama e devemos estar dispostos a dar a vida por Ele, vencer os obstáculos que se levantam contra a fé, pôr todos os meios ao nosso alcance, nosso engenho e criatividade, pessoal e comunitariamente, para que Cristo e seu Evangelho sejam levados a todos os homens e culturas de hoje! Não é essa a ousadia que o Senhor espera daqueles que O amam?

 O Espírito que começou ser derramado em Pentecostes, é para “jovens e anciãos”, para os daquele tempo e para os deste tempo... para nós que estávamos longe e fomos chamados pelo Senhor! O Espírito dado em Pentecostes é poder para testemunhar: “Jesus Cristo é o Senhor”!

 Somos chamados a acender o mundo inteiro com o Fogo do Amor que vem de Deus - Lc 12,49. Mas, como acender o mundo inteiro, se o Fogo do Amor não arde no nosso próprio coração? A audácia, a ousadia, não é uma questão de sermos valentes, mas é fruto do “amor de Deus derramado em nossos corações”!

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017

O fermento dos fariseus - 17/10/2017

Os tempos atuais não são fáceis.. - 16/10/2017