Reflexões / Matutações

A chegada do Ano Novo!

26/12/2016

Ainda soam em nossos ouvidos o anúncio do anjo aos pastores: o anúncio da grande alegria de nos ter nascido o Salvador, Deus Conosco, Emanuel!

 Mal saímos desta festa, mergulhamos em outra: a chegada do Ano Novo! Aliás, as duas datas acabaram por quase se fundir numa “festa só”. Nossas felicitações de fim de demonstram isso: “Feliz Natal e próspero Ano Novo”!

 Ano Novo! Desperta em todos “esperança do novo”, embora muitas vezes numa visão consumista: Adeus ano velho, feliz ano novo! Muito dinheiro no bolso, saúde para dar e vender! Ou ainda: “próspero Ano Novo”!

 A Esperança cristã ultrapassa esta visão imediatista e materialista, pois tem seu fundamento no encontro com o Deus vivo que vem a nós em Cristo Jesus e nos promete, por seu Espírito, a vida em plenitude em seu Reino. Reino que se inicia em nosso coração para estar em nosso meio!

 A visão consumista e materialista sobre o Ano Novo aparece quando nosso discurso se restringe exclusivamente na dimensão sócio-transformadora dando a falsa impressão de que a mensagem de Jesus reduz-se apenas aos direitos humanos e que, em última análise, a consumação da esperança coincidiria com a transformação econômica, social e política deste mundo.

 Não se pode negar que à fé cristã autêntica exige engajamento efetivo no melhoramento do mundo. Mas, no entanto, não se pode esquecer, em nome do dever de buscar a justiça social, que o fundamento da nossa esperança é Jesus Cristo, o Verbo feito homem! Que veio ao mundo para nos chamar a conversão e a mudança de nossa mentalidade. Que veio nos chamar ao amor!

 Este fato é que dá vigor ao nosso trabalho de buscar a transformação do mundo a partir do coração. “Não se pode colocá-lo em segundo plano em nossa atividade evangelizadora e pastoral sem grave erro e mesmo traição ao Evangelho” – Bento XVI.

 O fundamento da humanidade nova é o o Deus vivo, revelado por Cristo, como Aquele capaz de nos dar a esperança da vida eterna. “Chegar a conhecer Deus, o verdadeiro Deus: isto significa receber esperança” – Bento XVI. Somente Deus, o Deus vivo, pode ser objeto de nossa esperança. Só Ele dá a vida eterna, porque só ele a possui por si mesmo. Ele mesmo é a eterna felicidade que desejamos. Nossa salvação é a participação nesta vida plena e alegre que Ele promete em Jesus Cristo, por seu Espírito Santo.

 Assim, desejo que no Ano Novo que se aproxima traga a verdadeira alegria, fruto da esperança que se realiza na vida no Espírito Santo.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O conteúdo do Natal nos Padres da Igreja - 14/12/2017

Perdemos o senso do Natal! - 13/12/2017

Dia de Nossa Senhora de Guadalupe - 12/12/2017