Reflexões / Matutações

Tentados a “apanhar pedras”

06/12/2016

A noite lia o Evangelho de João. Após o episódio da “mulher adultera”, Jesus se envolve numa longa discussão com os fariseus e os judeus, “enquanto ensinava no Templo, junto a sala do tesouro” - Jo 8,12-59. O debate começa com Jesus dizendo: “Eu sou a luz do mundo”. Os fariseus contestam e começa um “verdadeiro bate-boca”. Os partidos se formam. É impossível ficar neutro diante de Jesus. Há uma tensão, uma luta entre a verdade e o pecado e as justificativas que os homens dão a ele. A conclusão é dramática: “pegaram pedras para o apedrejar”...

 Perdi o sono, fiquei matutando...

 Muitas vezes nós também resistimos à verdade revelada por Jesus Cristo e que questiona nossa vida. Somos tentados a “apanhar pedras” para “defender-nos” da Palavra de Deus. O Evangelho nos interpela, diante dele somos obrigados e rever nossa vida e nossas condutas... Agredir o Evangelho é uma maneira de nos esquivar da verdade.

 Apanhamos pedras quando ignoramos o Evangelho, dizendo que “não é bem assim”, que a “radicalidade é desequilíbrio”. Aceitamos mais facilmente as palavras de autoajuda do que a exigência da conversão até a cruz.

 Não aceitamos a verdade que muitos de nossos comportamentos, valores e mentalidade, são frutos do pecado que habita em nós, e nos escraviza. Justificamos nossos pecados com inúmeras desculpas e argumentos. De uma maneira ilógica nos apegamos à escravidão, recusando a libertação. Agredimos o Cristo como se fosse Ele o causador de nossas dores. Atiramos pedras em quem veio no salvar...

 Apanhamos pedras quando tornamos o Evangelho uma poesia, uma utopia desencarnada. Traímos o Evangelho quando o desligamos de nossa vida. Confinamos a verdade ao “mundo do possível” e colocamos “algumas verdades” de lado. Jesus interpela os judeus e a nós: “Se digo a verdade porque não acreditais em mim”?

 Não nos iludamos. A verdade que Cristo nos apresenta é uma verdade crucificada, sem os aplausos da aprovação humana. A verdade que o Cristo traz é marcada com as chagas dos cravos, não é um Evangelho de salões de festa e vida irrelevante e irresponsável. É um Evangelho que incomoda e que muitos gostariam de apedrejar.

 Diante das palavras de Jesus Cristo há apenas uma alternativa: ou se aceita esta verdade crucificada ou se apanha pedras...

 

Não quero apanhar pedra...

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


Conversão - 15/12/2017

O conteúdo do Natal nos Padres da Igreja - 14/12/2017

Perdemos o senso do Natal! - 13/12/2017