Reflexões / Matutações

Muito se fala em espiritualidade

04/11/2016

Num destes dias escutei no rádio do carro um “místico” oferecendo um curso de “espiritualidade das fadas e elfos”, seja o que for isso... Matutava: hoje, paradoxalmente, numa sociedade tecnicista e racional, muito se fala em espiritualidade... 

Espiritualidade é o jeito como vivemos... É essencialmente experiência: experiência de Deus, feita por pessoas. Experiência de um Deus pessoal, revelado em plenitude na pessoa de Jesus Cristo, feita por pessoas situadas culturalmente. Essa experiência inspira um jeito próprio de cada um se relacionar consigo mesmo, com os outros – tanto ao nível das relações interpessoais como ao nível da organização social, com a Natureza e com Deus.

Assim a espiritualidade se torna vital, experiencial, integral e integradora da totalidade do ser pessoa. Identifica-se com o jeito de viver, com um estilo de viva, com um modo de ser – um modo de sentir, pensar e agir, um jeito de se relacionar, de tomar decisões e de trabalhar na transformação da realidade.

O ponto de partida da espiritualidade cristã é o encontro com a pessoa de Jesus cristo. Ele é o caminho, a verdade e a vida - Jo 14,6. Por isso fundamenta-se na opção e na pratica de Jesus. Assim alicerçada no Cristo ressuscitado, a vida do cristão faz dele uma nova criatura, sinal visível do amor de Deus no mundo. Somos transformados de tal maneira que, apesar das dificuldades e dos problemas possíveis em nossa historia de vida, passamos a ver o mundo e as pessoas com olhos de Deus, isto é, com bondade, gratidão, compaixão e misericórdia.

O discipulado e o seguimento de Jesus são os elementos centrais da espiritualidade cristã. Ou seja, o cristianismo radical que o mundo necessita. A adesão à pessoa de Jesus Cristo está vinculada ao seguimento. Seguir não é ir atrás de Jesus, como passíveis expectadores, permanecendo em estado de indolência, apenas como objeto de uma ação apática em que somente um é o sujeito. Seguimento pressupõe relação, envolvimento, encanto e paixão.

O cristianismo, como estilo de vida, exige o discernimento e a audácia de se deixar conduzir pelo Espírito, o mesmo Espírito que guiou Jesus Cristo em seu ministério salvífico. Considerando o “fundamento cultural” da contemporaneidade, é indispensável esse discernimento para o cristão saber se movimentar, a partir dos valores evangélicos.

Num mundo em que parece prevalecer uma cultura de morte, os desafios para a vivência da espiritualidade cristã são realmente gigantescos e exigem que se estabeleça claramente o conteúdo básico da experiência cristã para os dias atuais. Trata-se, fundamentalmente, de acolher a Palavra viva de Deus, com um coração aberto; de acolher, agradecidos, o amor incondicional de Deus; de acolher o grande Dom que é o Espírito Santo... Acolher, receber, deixar-se tocar por Deus, desconcertante e imprevisível, dado que é Amor.

Na medida em que o dom de Deus, o Espírito de Deus, é acolhido pela pessoa, vai-se desenvolvendo nela a existência cristã. A atuação do Espírito Santo instaura na pessoa que o acolhe um dinamismo renovador que transforma o "velho" em "novo" e capacita para a prática do amor até aos inimigos - Mt 5,44 e do serviço concreto. Quer dizer, impulsionados pelo amor gratuito de Deus, vamos sendo capazes de aprender a “pagar o mal com o bem”, sem alienação ou utopia.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017

O fermento dos fariseus - 17/10/2017

Os tempos atuais não são fáceis.. - 16/10/2017