Reflexões / Matutações

A melhor e indispensável reforma...

02/11/2016

Os jornais falam exaustivamente de reformas, as mais diversas: política, previdenciária, de ensino... Mas fico matutando: não podemos ignorar que todas as reformas serão sempre insuficientes e frágeis porque ameaçadas pelo mal que está no homem.

Esse mal não pode ser curado à força de decretos, PECs e de leis. O mal fundamental de que sofremos não se refere às instituições nem às coisas, mas está em nós, em nossa vontade, em nossa alma. O mal que assola a humanidade e que impossibilita a ação das instituições comprometendo os esforços de renovação e reorganização da humanidade é o pecado. É o pecado que gera os abusos sociais e a miséria. As reformas podem mascarar as injustiças, mas não as suprimem. “Pois é de dentro do coração humano que saem as más intenções...” - Mc 7,21.

Nunca se poderá exprimir suficientemente até que ponto o pecado é em si mesmo antissocial. Abala sorrateiramente os vínculos fraternos e compromete a humanização do mundo, dificulta a Igreja cumprir sua missão... A fé nos revela que todo pecado reforça misteriosamente a influência de Satanás sobre o mundo.

O drama do mundo está enraizado no drama espiritual cujo campo de ação não é outro senão a consciência e o coração dos homens. Tal drama acaba sempre por inscrever-se nos fatos. O pecado, niilista por natureza, abala o mundo até seus fundamentos, ao passo que a graça de Deus o regenera e o leva a mais alta perfeição individual e comunitária.

Pela fé, sabemos que nenhum outro nome a não ser o de Jesus pode, em última análise, ser verdadeiramente autor da salvação. Sem Ele, permanecemos na superfície das coisas. O cristão é a presenta de Cristo no mundo e deve empenhar-se em transformá-lo em algo melhor, a partir da fé. O cristão deve estar plenamente presente na construção do mundo. Uma verdadeira piedade jamais será um álibi. O cristianismo não pode ficar encerrado em espaços restritos, mas deve permear todo o “tecido da humanidade” sob o impulso do Espírito.

O Espírito Santo é semelhante a um farol que, em nossa noite, projeta sua luz sobre a costa e revela os perigos e os recifes ocultos. O Espírito ajuda-nos a discernir melhor tudo aquilo que é desumano na sociedade que nos rodeia. Força-nos a compreender que o conformismo social oculta abismos de covardia, de respeito humano, de medo. Revela-nos os falsos deuses do dia, denuncia as idolatrias sucessivas e nos chama a conversão.

“Convertei-vos”: é o apelo que Jesus nos faz. Conversão é a melhor e indispensável reforma.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O conteúdo do Natal nos Padres da Igreja - 14/12/2017

Perdemos o senso do Natal! - 13/12/2017

Dia de Nossa Senhora de Guadalupe - 12/12/2017