Reflexões / Matutações

Uma crise de fé que atingiu a sociedade

01/11/2016

Atualmente muitos cristãos empenham-se mais com as consequências sociais, culturais e políticas da fé do que com a própria fé, pressuposto de sua identidade. Muitas vezes, tal pressuposto não só deixou de existir, mas frequentemente é negado. No passado recente era possível reconhecer uma sociedade sensível aos conteúdos da fé e aos valores por ela inspirados. Hoje parece que não é assim devido a “uma crise de fé que atingiu a sociedade e, porque não dizer, setores da própria Igreja” – Bento XVI.

Um sinal disto é a diminuição da prática religiosa consciente; muitos batizados perderam a identidade e a pertença: não conhecem os conteúdos essenciais da fé, ou pensam que a podem relativizar dispensando a mediação eclesial. Alguns duvidam das verdades ensinadas pela Igreja, outros reduzem o Reino de Deus a alguns valores sociais, que têm a ver com o Evangelho, mas não dizem respeito ao âmago da fé cristã. O Reino de Deus é dom que nos transcende.

“O Reino de Deus não é um conceito, uma doutrina, um programa sujeito a livre elaboração, mas é acima de tudo uma Pessoa, que tem o nome e o rosto de Jesus de Nazaré, imagem do Deus invisível” - S. João Paulo II. Infelizmente, Deus é excluído do horizonte de muitas pessoas: quando não é a indiferença, reduz-se a fé ao âmbito subjetivo, limitado a uma questão íntima e particular, marginalizada pela consciência pública. O coração da crise social é a crise espiritual e moral, gerada pelo abandono e fechamento a Deus: o homem pretende ter uma identidade e liberdade completa em si mesmo.

A tarefa da Igreja, e, portanto nossa tarefa, é “atingir e como que a modificar pela força do Evangelho os critérios de julgar, os valores que contam, os centros de interesse, as linhas de pensamento, as fontes inspiradoras e os modelos de vida da humanidade, que se apresentam em contraste com a Palavra de Deus e com o desígnio da salvação” - Evangelii nuntiandi.

Não haverá evangelização sem a renovação da qualidade da nossa fé e da nossa oração; não seremos capazes de oferecer respostas adequadas, sem um acolhimento renovado do Espírito Santo; não saberemos conquistar para o Evangelho, se nós mesmos não formos os primeiros a viver uma profunda experiência de Deus.

O sal não pode perder o sabor e que luz não deve ser escondida - Mt 5,13. O homem contemporâneo precisa ir, como a samaritana, ao poço, para ouvir o convite de Jesus a crer n’Ele e a beber da fonte de água viva - Jo 4,14. A fé em Jesus Cristo é o caminho para se estabelecer o Evangelho como fundamento da sociedade humana.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O conteúdo do Natal nos Padres da Igreja - 14/12/2017

Perdemos o senso do Natal! - 13/12/2017

Dia de Nossa Senhora de Guadalupe - 12/12/2017