Reflexões / Matutações

dar a Cesar o que é de Cesar...

19/10/2016

Assistindo o noticiário, muitas vezes assustador, escutei do “âncora do jornal” um comentário: é preciso “dar a Cesar o que é de Cesar e a Deus o que é de Deus” – Mt 22,21 Com isso queria dizer que a vida secular - economia, política, etc. - não pode ser influenciada pela fé em Deus; que cada realidade tem sua autonomia e que não devem se misturar.

 Acordei matutando...

 Ao ensinar a dar a César o que é de César, o Senhor nos convida a respeitar as estruturas da sociedade em que vivemos, a levá-las a sério e viver nelas de maneira cristã. César, aqui, significa o mundo, com toda sua riqueza e complexidade. Podemos dar a César o que é de César, sem medo nem temor! Mas, ao exortar a dar a Deus o que é de Deus, o Senhor nos recorda que somente Deus é Deus.

 De Deus é a nossa vida, de Deus é a nossa morte, de Deus é tudo quanto temos, vivemos e somos: Dai a César o que é de César, mas César também pertence a Deus! César não é Deus! A César o que é de César; a Deus tudo, inclusive César, pois tudo é de Deus!

 O que se deve dar a Deus? Tudo; absolutamente, tudo! Esta é a dificuldade: a cegueira que o pecado no mundo produz não permite enxergar com a razão e com o coração que Deus é o Tudo, o Sentido da nossa existência. Sem Ele, nada tem razão de ser, nada tem valor absoluto... nem a vida humana, que só pode ser respeitada de modo absoluto quando é compreendida em Deus. “Mas vós sois de Cristo e Cristo é de Deus" - 1Cor 3,21-23.

 A grande tentação nossa é colocar no lugar de Deus os tantos césares da vida. Não se endeusa a ciência? Não se absolutiza a tecnologia, não se adora o prazer e o poder? Os grandes do mundo – grandes pelo poder, ou pela riqueza, ou pelo sucesso – não se acham divinos, sem reconhecer que tudo vem de Deus, que estamos em suas mãos, que tudo é, misteriosamente, fruto da sua providência?

 Grande ilusão nossa é pensar que podemos colocar Deus no meio de tantos e tantos amores, de tantas e tantas paixões, fazendo d’Ele apenas mais uma, entre tantas realidades da vida. Não! Ele é tudo, “Ele é o Tudo”! Como dizia São Francisco de Assis: "Tu és o Bem, todo o Bem, o Bem universal"!

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O essencial na vida cristã - 23/10/2017

A maturidade cristã - 20/10/2017

O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017