Reflexões / Matutações

O Medo e a Fé

28/09/2016

Estava caminhando de manhã e um conhecido, que esperava o circular, me parou e puxou “um dedo de prosa”. Fazia tempo que eu não o via. Contou um pouco de sua vida e de seus medos... Continuando a caminhada, ouvi um cachorro latir e pensei: “vou mudar o caminho, pois aquele cachorro vai me morder”... Vi que, por medo, antecipava algo que poderia não acontecer...

Matutei... Uma das frases mais comuns que escuto é: “eu tenho medo que”... E aí “emenda” a preocupação... O medo, transvestido como preocupação, parece ser a coisa mais comum entre nós. Tememos tantas coisas... Li em algum lugar que "o primeiro dever espiritual do homem é vencer os seus medos".

Os medos crescem quando são nutridos. Se permitirmos, o medo cresce mais rapidamente do que “fogo no mato seco”. Nossa vida é marcada por ansiedades e medos, na maioria das vezes, desnecessários. Medos criados por nós mesmos! Precisamos viver e tomar atitudes apesar dos nossos temores, e não em função deles. Se deixarmos o medo dominar, não sairemos de casa...

O medo é a mentalidade de que “isso não vai dar certo". O Salmo 46 (45) diz: “Deus é para nós um refúgio e força, defensor poderoso no perigo. Por isso não temos medo se a terra treme, se os montes desmoranam no fundo do mar”... É preciso crer que o Senhor está conosco e não nos deixará sozinhos.

O medo é o principal gerador das preocupações desnecessárias. “Quem de vós pode, com sua preocupação, acrescentar um só dia à duração de sua vida”? – Mt 6,27. O medo antecipa o sofrimento que talvez não venha; faz-nos sentir derrotados por algo que poderia acontecer, mas não necessáriamente! Por medo, criamos dificuldades antes delas acontecerem...

A preocupação não pode consertar nada: "nossa incerteza é uma traidora e nos faz perder o que muitas vezes estamos para ganhar porque receamos até mesmo tentar" – Shakespeare. O medo nos paralisa; faz-nos afundar quando caminhamos sobre as àguas; engana-nos e nos impede de chegar onde poderíamos...

Sempre há duas vozes ressoando em nossos ouvidos: a voz do medo e a voz da fé. Uma é o clamor dos nossos sentidos e a outra é o apelo de Deus. Não permitamos que os nossos temores roubem os nossos sonhos e nos impeçam de segui-los

“No mundo tereis aflições. Mas tende coragem! Eu venci o mundo”! – Jo 16,33

Segui o caminho escolhido, o melhor e mais bonito, o cachorro veio perturbar, mas era pequeno e só latiu...

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O conteúdo do Natal nos Padres da Igreja - 14/12/2017

Perdemos o senso do Natal! - 13/12/2017

Dia de Nossa Senhora de Guadalupe - 12/12/2017