Reflexões / Matutações

Proclamar sobre os telhados

14/09/2016

Proclamar sobre os telhados – Mt 10,27. Jesus pedia que “não contassem” a ninguém os seu ministério, embora isso efetivamente não acontecesse, pois “sua fama se espalhava” na região. No entanto, esta orientação vai mudar: “o que escutais ao pé do ouvido, proclamai-o sobre os telhados!” Esta mudança radical irá desencadear a perseguição, o insulto e o ataque dos homens. O Senhor, porém, avisa: nada de medos; a graça de Deus vos acompanha; a força do Alto estará convosco; a solicitude do Pai vos assiste.

Vivemos hoje num mundo essencialmente comunicativo. Uma explosão que teve seu início no século XX com o aperfeiçoamento da imprensa escrita e da fotografia, bem como a invenção do cinema, rádio, posteriormente a televisão, e hoje a internet etc. Hoje se comunica muito mais e melhor. Existe sobre nós uma avalanche de informações... Mas com que profundidade? Onde estará à verdade em tudo aquilo que nos é transmitido? Podemos fazer uma leitura do mundo a partir disso? Somos capazes de filtrar o que realmente é bom?

Homossexualismo, uniões homoafetivas, aborto, sexo, violência etc. são assuntos tratados (superficialmente e de maneira tendenciosa) em entrevistas (talk shows), programas da manhã (“sérios”), revistas e jornais (de credibilidade), “reality shows”, novelas, da forma que melhor interessa seus produtores, e na maioria das vezes não é a verdade o objetivo, mas o lucro, mas que influenciam profundamente a vida da sociedade. Um assunto polêmico é muito mais rentável do que retratar uma situação feliz. O importante não é a verdade, mas a história, mais ainda, se a história é lucrativa, espetacular ou se dá audiência. A verdade é submetida a valores comerciais e de popularidade (marketing).

O mundo das comunicações parece indiferente e até mesmo hostil à fé e à moral cristãs. Isso ocorre porque, em parte, a cultura dos meios de comunicação está influenciada pela pós-modernidade que afirma ser a única “verdade absoluta aquela segundo a qual não existem verdades absolutas ou que, se elas existissem, seriam inacessíveis à razão humana e, portanto se tornariam irrelevantes” – Fides Ratio. A tentação é deixar a parte as considerações da verdade e sua relevância na formação do caráter e da ética social.

Esse ambiente das comunicações modernas não é mais amistoso para a evangelização do que o mundo pagão do tempo dos Apóstolos. Mas do mesmo modo que as primeiras testemunhas da Boa Nova não se retiraram quando se encontraram diante de oposições, assim também nós cristãos não podemos fazer hoje: "Ai de mim se eu não evangelizar!"? – 1 Cor 9, 16.

A relação entre a realidade e a mídia tornou-se mais complicada. Se de um lado, as comunicações podem diluir a distinção entre verdade e ilusão, por outro, podem criar oportunidades sem precedentes para tornar a verdade universalmente acessível. A tarefa da Igreja consiste em assegurar o acesso à verdade a todos, isso é: proclamar sobre os telhados.

 

 

Quem quer ter um pouco mais de qualidade nas informações e entretenimento precisa a recorrer meios, não acessíveis a maioria da população; o grande público é manipulado pela comunicação que absorve pelos diversos meios. Na maioria dos casos, é isso que faz a “educação” do homem moderno e o torna tão superficial.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O essencial na vida cristã - 23/10/2017

A maturidade cristã - 20/10/2017

O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017