Reflexões / Matutações

Oração, Um Diálogo Verdadeiro

05/09/2016

A oração não deve ser vista como uma simples obra boa, ou ação, realizada por nós a favor de Deus. A oração é antes de tudo um presente, fruto da presença viva e vivificadora de Deus, nosso Pai, em nós. São Paulo diz que “o Espírito vem em socorro de nossa fraqueza. Pois não sabemos o que pedir nem como pedir; é o próprio Espírito que intercede em nosso favor, com gemidos inefáveis”. (Rm8, 26).

E sabemos muito bem como é verdadeira a expressão: “Não sabemos o que pedir nem como pedir”. Desejamos rezar, mas Deus está distante, não dispomos das palavras suficientes para falar com Deus, nem sequer o pensamento. Só podemos abrir-nos, por o nosso tempo à disposição de Deus, esperar que Ele nos ajude a estabelecer um diálogo verdadeiro. Precisamente por causa desta falta ou ausência de palavras é o desejo de entrar em contacto com Deus que é a oração que o Espírito Santo não só entende, mas leva ao coração de Deus. “É precisamente esta nossa debilidade que se torna, através do Espírito Santo, verdadeira oração, contato autêntico com Deus. O Espírito Santo é o intérprete que nos faz compreender, a nós mesmos e a Deus, o que queremos dizer” – Bento XVI. (Meditando sobre a Oração)

A presença do Espírito Santo realiza a nossa união com Cristo, porque se trata do Espírito do Filho de Deus, no qual nos tornamos filhos. São Paulo fala do Espírito de Cristo (Rm 8, 9), e não apenas do Espírito de Deus: se Cristo é o Filho de Deus, o seu Espírito é também Espírito de Deus e assim, se o Espírito de Deus, Espírito de Cristo, já se tornou muito próximo de nós no Filho de Deus e Filho do homem. “O Espírito de Deus torna-se também espírito humano e toca-nos; podemos entrar na comunhão do Espírito.

É como se dissesse que não só Deus Pai se fez visível na Encarnação do Filho, mas também o Espírito de Deus se manifesta na vida e na ação de Jesus, de Jesus Cristo, que viveu, foi crucificado, morreu e ressuscitou” – Bento XVI. Recordamos que “ninguém pode dizer ‘Jesus é o Senhor’, a não ser sob a ação do Espírito Santo” (1Cor 12, 3). Consequentemente, o Espírito orienta o nosso coração rumo a Jesus Cristo, de modo que “já não somos nós que vivemos; é Cristo que vive em nós” (Gl 2,20). (Meditando sobre a Oração)

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017

O fermento dos fariseus - 17/10/2017

Os tempos atuais não são fáceis.. - 16/10/2017