Reflexões / Matutações

Vida de Oração

02/09/2016

“Na oração nós experimentamos, mais do que noutras dimensões da existência, a nossa debilidade, a nossa pobreza e o fato de sermos criaturas, porque somos colocados diante da omnipotência e da transcendência de Deus”. – Bento VI É preciso progredir na escuta e no diálogo com Deus, para que a oração se torne o suspiro quotidiano da nossa alma. Na oração compreendemos o sentido do nosso limite, não apenas diante das situações concretas de cada dia, mas inclusive na própria relação com o Senhor. Como resultado, aumenta em nós a necessidade de nos confiarmos, de nos entregarmos cada vez mais a Ele; compreendemos que “não sabemos... rezar como convém” (Rm 8, 26).

É o Espírito Santo que ajuda a nossa incapacidade, ilumina a nossa mente e aquece o nosso coração, orientando o nosso caminho a Deus. Para são Paulo, a oração é acima de tudo o agir do Espírito Santo na nossa humanidade, para assumir a nossa debilidade e para nos transformar de homens carnais em homens espirituais. “Ora, nós não recebemos o espírito do mundo, mas sim o Espírito que vem de Deus, que nos dá a conhecer as graças que Deus nos prodigalizou". (1Cor 2, 2-13). Por habitar em nossa fragilidade humana, o Espírito Santo transforma-nos, intercede por nós e conduz-nos rumo às alturas de Deus (Rm 8, 26).

 A presença do Espírito Santo realiza a nossa união com Cristo, porque se trata do Espírito do Filho de Deus, no qual nos tornamos filhos. São Paulo fala do Espírito de Cristo (Rm 8, 9), e não apenas do Espírito de Deus: se Cristo é o Filho de Deus, o seu Espírito é também Espírito de Deus e assim, se o Espírito de Deus, Espírito de Cristo, já se tornou muito próximo de nós no Filho de Deus e Filho do homem. “O Espírito de Deus torna-se também espírito humano e toca-nos; podemos entrar na comunhão do Espírito.

É como se dissesse que não só Deus Pai se fez visível na Encarnação do Filho, mas também o Espírito de Deus se manifesta na vida e na ação de Jesus, de Jesus Cristo, que viveu, foi crucificado, morreu e ressuscitou” – Bento XVI. Recordamos que “ninguém pode dizer ‘Jesus é o Senhor’, a não ser sob a ação do Espírito Santo” (1Cor 12, 3). Consequentemente, o Espírito orienta o nosso coração rumo a Jesus Cristo, de modo que “já não somos nós que vivemos; é Cristo que vive em nós” (Gl 2,20). (Meditando sobre a Oração)

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017

O fermento dos fariseus - 17/10/2017

Os tempos atuais não são fáceis.. - 16/10/2017