Reflexões / Matutações

A obediência

24/08/2016

O Salmo 112 (111) nos fala dos justos, daqueles que temem o Senhor e reconhecem a sua transcendência aderindo com confiança e amor à sua vontade na esperança de se encontrarem com Ele depois da morte. Para estes justos existe uma "bem-aventurança": "Feliz quem teme o Senhor" (v. 1). O temor a Deus consiste em ser dócil aos mandamentos de Deus. É proclamado bem-aventurado aquele que "sente grande alegria" em guardar os mandamentos, encontrando neles alegria e paz.

A obediência a Deus é a raiz de toda esperança e de paz interior e exterior. A obediência à lei moral é fonte de profunda paz da consciência. A Sagrada Escritura diz que sobre o justo estende-se o manto da bênção divina, que imprime estabilidade e sucesso às suas. Esta visão otimista opõem-se as observações amargas do pessimista, que experimentando o mistério do sofrimento, se sente injustamente punido e submetido a provas aparentemente insensatas. Jó, o justo sofredor, representa muitas pessoas justas que sofrem duramente no mundo. Portanto, é necessário ler este Salmo no contexto da Sagrada Escritura, até à cruz e à ressurreição do Senhor. Assim, permanece a confiança que o Salmista deseja transmitir e fazer experimentar a quem escolheu seguir o caminho de um comportamento moralmente irrepreensível, contra qualquer alternativa de realização ilusória obtida através da injustiça e da imoralidade.

 (Meditando os Salmos)

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O essencial na vida cristã - 23/10/2017

A maturidade cristã - 20/10/2017

O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017