Reflexões / Matutações

Atos dos Apóstolos

28/07/2016

Quando lemos o livro dos Atos dos Apóstolos ficamos maravilhados com as coisas que a Igreja nascente realizou. Eles eram tão eficientes quando nós atingimos tão poucos; tão dinâmicos quando parecemos letárgicos; tão cheios de fé, quando nós somos submersos em dúvidas. O comprometimento daqueles primeiros cristãos com seu Senhor, a fraternidade que os unia e o zelo com a Missão, me deixam com um sentimento de desconforto. Atrás daquelas pessoas comprometidas existia uma experiência decisiva que formou e mudou mentalidades e vidas. O comprometimento com o Senhor está enraizado no batismo com o Espírito Santo. Mas admito que o efeito sobre os Apóstolos foi de longe, mais profundo e permanente.

O Espírito Santo que recebi não é diferente daquele que eles receberam no dia de Pentecostes. Não admito ter recebido uma versão de segunda classe, enfraquecida, do século vinte e um. O Espírito Santo é o Espírito Santo! A resposta à sua ação é de responsabilidade minha não d’Ele. Ainda que os primeiros cristãos fossem ingênuos para os padrões modernos, devemos reconhecer que eles eram abertos a Deus, de modo surpreendente. O coração do comprometimento é a experiência do Espírito Santo que se traduz: na fidelidade à oração e à doutrina; na comunidade de vida partilhada e na vida eucarística; na prontidão para falar de Jesus e testemunhar seu Evangelho, mesmo que isso nos custe o sangue.

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


A maturidade cristã - 20/10/2017

O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017

O fermento dos fariseus - 17/10/2017