Reflexões / Matutações

Chamados e Enviados

21/07/2016

Há aqueles que vivem chamando a Deus e há aqueles que se sentem chamados por ele. São como dois estilos religiosos, quase duas religiões distintas. A religião dos chamados é a religião da fé, a do seguimento de Cristo. Sem excluir o chamar a Deus de Pai nas necessidades da vida, é preciso desenvolver um ouvido atento às suas iniciativas de amor. Os convites do Senhor são, frequentemente, imprevistos e surpreendentes. Aqueles que são chamados e enviados pelo Senhor não são simples ativistas mobilizados por um entusiasmo puramente humanos.

Toda a escolha de Deus é para uma atuação "em Cristo", trata-se de uma participação na atuação dele próprio. É ele quem reúne "tudo o que está nos céus e tudo o que está sobre a terra". E toda vocação cristã está incluída neste movimento. Toda a história humana, pessoal, familiar e social, e todas as coisas que a rodeiam estão destinadas a ser recapituladas (reencabeçadas), reconduzidas por Aquele que lhes pode dar uma plenitude. E toda vocação cristã não pode ser outra coisa senão um confiante e responsável ato de consentimento humilde e ativo nesta ação libertadora. Deus Pai é quem nos escolheu e abençoou "em Cristo"; nele fomos santificados. (meditando Efésios 1,3-13)

Quem perceber esta verdade, fundamental para todo escolhido do Senhor, descobrirá em que medida conservar hoje todo o seu valor as instruções que Jesus dá a seus apóstolos ao envia-las a pregar

Além desses aspectos circunstanciais ou de seus acentos literários, que nos podem parecer chocantes ou exagerados, o que importa é seu significado, sempre valida. O evangelizador, instrumento de Cristo, deve esvaziar-se de si mesmo e desprender-se de rude o que não seja Deus e Cristo mesmo. Deve inserir-se no mundo com plena liberdade quanta dos meios, desarmado de tudo o que passa obscurecer o sentido de sua missão.

O "ardor" missionário, que reclama em nossos dias a nova evangelização, "também exige iluminar a consciência para discernir de que forma colocamos obstáculos à eficácia da Palavra de Deus e assumir a necessária conversão", junte a uma assídua oração .

A missão encomendada par Jesus aos apóstolos é um modelo da missão confiada a toda a Igreja e, nela, a todos os escolhidos do Senhor.

O núcleo do conteúdo evangelizador é a conversão a uma fé que purifica e cura o homem em seu ser mais intima .

Em última análise, converter-se é desligar-se do poder do mal que aprisiona alguém. Não é um ato de pure voluntarismo; converte-se aquele que consente em ser libertado pela Senhor do poder maligno que reside no demônio.

A partir destas pautas, temos de examinar a tarefa evangelizadora de nesse tempo, no qual o mal continua presente e as doenças dos homens aprisionados par ele têm diversos modos de manifestar-se. Mc 6, 7-13

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


O farisaísmo é “um caminho segundo a carne” - 18/10/2017

O fermento dos fariseus - 17/10/2017

Os tempos atuais não são fáceis.. - 16/10/2017