Reflexões / Matutações

Sede Perfeitos

08/07/2016

Quando ouvimos Jesus dizer: "Vós, portanto, sereis perfeitos, como é perfeito o vosso Pai celeste”, muitos ficam desanimados porque entendem mal a natureza da santidade e julgam-na, primordialmente, resultado de um esforço pessoal. Pelo contrário, ela é, em primeiro lugar, um dom imerecido, de graça. "O amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (Rm 5,5). Somos convidados a ser perfeitos como o Pai celeste é perfeito, porque trazemos dentro de nós a vida do Pai dada por intermédio de Cristo no Espírito, dada sem nenhum custo para nós. “Começamos no topo da escada, não na parte inferior!” – Padre Raniero.

A santidade que Deus tem, Ele a tem de modo absoluto sem limites, em virtude da natureza divina. A santidade que temos é pela comunhão na santidade divina, não em virtude nossa identidade, mas pela participação na que é de Deus. Ser santo é deixar resplandecer essa de vida divina dada sem nenhum custo para nós, é guardar e aperfeiçoar em nossas vidas a santidade que recebemos de Deus (LG 40). Esta é a base inalienável da alegria cristã, o fundamento indestrutível do otimismo cristão: "nem a morte nem a vida (...), nada poderá separar-nos do amor de Deus, manifestado em Jesus Cristo, nosso Senhor" (Rm 8,38-39).

meditando Mateus 5,48

Autor: Tácito Coutinho - Tatá - Moderador do Conselho da Comunidade Javé Nissi

Deixe seu comentário

Últimas


Conversão - 15/12/2017

O conteúdo do Natal nos Padres da Igreja - 14/12/2017

Perdemos o senso do Natal! - 13/12/2017